Fraude que criava ‘residentes fantasmas’ é descoberta em Portugal


Agentes do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) descobriram um esquema fraudulento que criava “residentes fantasmas” em Portugal. Segundo comunicado oficial, divulgado na noite desta quinta-feira (14), os imigrantes tinham títulos de residência no país, mas trabalhavam em outros territórios da União Europeia (UE).

Uma profissional de contabilidade está sendo investigada por auxiliar a fraudar a documentação utilizada nos esquemas. O escritório onde a contadora atuava, em Leiria, a 100 quilômetros de Lisboa, além de outro endereço da cidade, foram alvos de busca e apreensão na terça-feira (13). De acordo com os agentes de imigração, foram apreendidos documentos impressos e digitais que serão analisados no processo judicial.

Segundo o SEF, a suspeita é que os documentos falsos eram utilizados para obter a residência em Portugal, mas os estrangeiros moravam em outros Estados-Membros.  Pela lei portuguesa, é obrigatório residir no país até a obtenção da cidadania, que é concedida depois de cinco anos de moradia legal no país luso.

O órgão de imigração confirma que já existem situações de pessoas que conseguiram a nacionalidade portuguesa através do esquema, mesmo não residindo em Portugal no período obrigatório. O SEF continua investigando os casos.

A profissional acusada responderá pelos crimes de auxílio à imigração ilegal, inseração de dados falsos, falsidade informática e falsificação de documentos. As penas, se somadas, podem passar dos 15 anos de prisão.

Compartilhar