Inglaterra autoriza abertura de lojas e shoppings centers a partir de 15 de junho

Lojas de roupas estão entre as beneficiadas pela flexibilização no Reino Unido – Foto: Edward Howell

Por Jézica Bruno, de Londres.

Lojas que vendem produtos não essenciais poderão reabrir a partir da próxima segunda-feira (15) na Inglaterra, desde que sigam diretrizes de segurança exigidas pelo governo britânico. O anúncio, feito pelo secretário de Negócios Alok Sharma, inclui lojas de rua, lojas de departamento e shopping centers.

Com essa flexibilização do lockdown (confinamento), lojas que vendem roupas, sapatos e brinquedos, livrarias, estúdios de fotografia, varejistas de eletrônicos, casas de leilão e outras lojas de departamento poderão abrir suas portas novamente. Porém, o período de confinamento ainda não foi encerrado e clientes e funcionários devem ser mantidos em segurança.

Em função disso, os varejistas deverão tomar algumas medidas de precaução com o público, o que inclui a limitação do número de clientes de uma só vez dentro das lojas e colocar coberturas para proteção em itens maiores. Além disso, é exigida uma frequente verificação e limpeza de objetos e superfícies.

Todos os empregadores também devem exibir um aviso nas vitrines ou fora das lojas para mostrar a seus funcionários, clientes e outros visitantes que eles estão seguindo as orientações do governo.

Leia mais
– Reino Unido impõe quarentena de 14 dias para viajantes
– Brasileiros ficam sem salário após empresa reter pagamentos na Irlanda

Outros negócios importantes para a retomada da economia, como salões de beleza e o setor de hospitalidade, no entanto, permanecem fechados, já que o risco de transmissão nesses ambientes é maior. Pubs também não têm data autorizada para o retorno das atividades.

A abertura das lojas marca a última etapa prevista no roteiro do primeiro-ministro Boris Johnson para reabrir gradualmente partes da economia. “Este é o último passo para o reinício cuidadoso da economia e permitirá que as ruas principais do país voltem à vida”, declarou o secretário Alok Sharma em conferência com a imprensa.

Sob pressão, o governo britânico defende um retorno lento e gradual da economia seguindo cinco testes em um plano apresentado em maio. Com o planejamento, espera-se proteger o sistema nacional de saúde (National Health Service – NHS), reduzir a taxa de mortalidade por COVID-19, diminuir também a taxa de infectados, garantir apoio para a proteção individual dos cidadãos e, por fim, assegurar que as medidas de retorno gradual não contribuam para o aumento das taxas de infecção.

Desde o início da pandemia, o Reino Unido já contabilizou mais de 40 mil mortes por coronavírus, sendo que 62% das mortes registradas ocorreram em hospitais e 31% em casas de repouso. O número de infectados já supera 289 mil pessoas.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.