Em dois meses, Portugal barra seis mil pessoas na fronteira com a Espanha

Todos que atravessam a fronteira passam por controle de imigração.
Foto: SEF / Divulgação


As forças de segurança portuguesas impediram 6.141 pessoas de ingressarem no país pela fronteira com a Espanha nos últimos dois meses.  Os dados são do Ministério da Administração Interna, que também prorrogou, até 15 de abril, o controle das fronteiras com o território espanhol. A medida acabaria nesta segunda-feira (5), mas foi estendida “devido à situação epidemiológica entre os dois países”.

Desde o final de janeiro, só podem fazer a travessia os trabalhadores fronteiriços ou que transportam mercadorias, além dos veículos de emergência. Continua sendo permitida a entrada de cidadãos nacionais ou estrangeiros com autorização de residência.

Atualmente, existem 18 pontos de passagem na fronteira. Em apenas sete a passagem pode ser feita 24 horas por dia. No entanto, em todos os locais existe controle por parte da Guarda Nacional Republicana (GNR) e Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF). Todos os passageiros passam pela identificação para permitir a entrada no território. Apesar das regras na fronteira terrestre, aviões entre Portugal e Espanha operam normalmente, mas com as mesmas restrições de entrada dos viajantes.

Ainda de acordo com a imigração portuguesa, os estrangeiros que chegam do Brasil e outros 13 países por qualquer tipo de fronteira, precisam ficar em isolamento durante 14 dias.  Para agilizar o trabalho, Portugal implementou, na semana passada, um sistema digital. O certificado deve ser gerado pelo passageiro antes de passar pela fronteira, seja aérea, terrestre ou fluvial. Aqueles que não tiverem o formulário com autorização são impedidos de entrarem no país.  Antes, o procedimento para o controle da quarentena era feito por formulário em papel.

Leia mais:
– Portugal estuda retomar em breve voos comerciais com o Brasil
 Portugal reabre área externa de restaurantes na segunda-feira
 Azul confirma segundo voo especial entre Brasil e Portugal

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *