Portugal reforça campanha de verão contra violência doméstica

Informações serão divulgadas nas ruas, estações de metro e supermercados.
Foto: Divulgação / Governo de Portugal


Portugal lançou, nesta quarta-feira (9), um reforço na campanha contra a violência doméstica no país. A iniciativa ocorre perto do início das férias de verão, quando as vítimas podem passar mais tempo em casa, um local que nem sempre é seguro: “Se a casa é um lugar seguro para a maioria das pessoas, para as vítimas de violência doméstica não é”, destaca o comunicado do governo português.

O objetivo é sinalizar às vítimas os locais e contatos para pedir ajuda: “É essencial a ampliação e amplificação das formas de alerta social e de apoio às vítimas de violência doméstica”, pontua o documento oficial.

As informações, além de serem anunciadas na imprensa, serão divulgadas nas ruas, estações de metrô, rodoviárias e em outros pontos de maior visibilidade da população. A iniciativa também conta com apoio de empresas, com divulgação em supermercados, postos de combustíveis e postos de correio. Os materiais de divulgação também podem ser encontrados em outros idiomas, levando em conta as mulheres imigrantes.

No plano de reforça consta ainda do contato com as vítimas que estão sendo monitoradas pelas autoridades policiais, unidades de saúde e da rede de profissionais que atuam na área. Segundo o último relatório trimestral dos crimes de violência doméstica, 4.187 mulheres estiveram nesta situação nos três primeiros meses deste ano.

Para a secretária de Estado para Cidadania e Igualdade, Rosa Monteiro, procurar ajuda é passo decisivo: “A denúncia, a procura de apoios e de informação são passos decisivos para encerrar um processo de mudança e de superação, rompendo com ciclos de dúvida, medo e de sofrimento”, ressalta a secretária.

Rosa acredita que o plano apresentado hoje atua na resposta e prevenção aos crimes: “Congrega todas as partes a estarem ainda mais ativas no período crítico de férias escolares e laborais que se aproxima”, explica a profissional.

Governo aposta no afastamento dos agressores

Conforme dados do último relatório trimestral dos crimes de violência doméstica, divulgado na semana passada, houve aumento nas medidas judiciais de prevenção. Segundo o documento, o número de agressores presos que aderiram a programas de reabilitação subiu 378% na comparação com o mesmo período do ano anterior.

No caso dos criminosos que não estão presos, o aumento na participação em programas comunitários foi de 34%, com um total de 1.821 homens. Ainda subiu 24% o número de ordens de afastamento da vítima e 27% o uso de tornozeleira eletrônica.

Nos três primeiros meses deste ano, 5.517 denúncias foram realizadas nos órgãos de segurança. O total é 13% menor do que o mesmo período de 2020. Ainda neste trimestre, Portugal teve 4.187 vítimas em assistência à distância.

Contatos de denúncia/apoio

Linha de Emergência Nacional – 112

Linha SMS – 3060

Linha de Informação da Comissão para Igualdade de Gênero para as vítimas – 800 202 148

SOS Criança – 116 111

Lista de contatos e informações úteis aqui.

Leia mais:
#Metoo: brasileiras expõem barreiras para denunciar assédio em Portugal
Portugal abre novo centro de apoio a imigrantes vítimas de violência doméstica

Seis em cada 10 adolescentes já sofreram violência durante o namoro em Portugal

Compartilhar

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.