Portugal: acusada de omissão em morte de imigrante, diretora se demite

Foto: SEF / Divulgação


Nove meses depois de um imigrante ser torturado até a morte no Aeroporto de Lisboa, a diretora do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), Cristina Gatões, pediu demissão. A solicitação de saída do cargo foi feita na manhã desta quarta-feira (9), confirmou o Governo de Portugal em nota.

Cristina se manteve à frente do serviço de imigração e sem prestar declarações sobre o homicídio de Ilhor Homenuyk até o mês passado, quando, em entrevista à televisão estatal do país, admitiu que o imigrante ucraniano foi torturado. Na ocasião, a diretora afirmou que se demitir seria “fugir da responsabilidade”.

No entanto, nos últimos dias aumentou a pressão para que o Governo afastasse Cristina, que até hoje não ligou para a família do imigrante assassinado. Além das críticas à diretora, estão sendo cobradas reformulações no SEF, após outros relatos de maus tratos contra estrangeiros divulgados na imprensa.

Leia mais:
– MP acusa agentes de imigração pela morte de ucraniano no aeroporto de Lisboa
– Estudantes estrangeiros em Portugal já podem renovar residência online
 Governo de Portugal regulariza imigrantes com vistos pendentes

O Partido Social Democrata (PSD) ameaçou ontem (8) deixar de apoiar o Governo, caso medidas não fossem tomadas. O mesmo partido convocou Cristina para ser ouvida no Parlamento sobre atuação à frente das investigações. Agora, não há confirmação se a audiência está mantida.

Na semana passada, em visita a Portugal, Ylva Johansson, comissária europeia, afirmou que “houve uma horrível violação aos direitos humanos”. A líder ainda destacou que confia que o Governo esteja “a tratar apropriadamente” a questão.

Estão sob investigação 12 pessoas, acusadas de envolvimento no homicídio do imigrante. Três agentes foram indiciados pelo Ministério Público e estão em prisão domiciliar.  Até hoje, a esposa e os dois filhos de Ilhor estão sem receber as condolências do Governo português.

Reformulação do SEF

Na mesma nota que informa a demissão, o ministério destaca que haverá “separação orgânica muito clara entre as funções policiais e as funções administrativas de autorização e documentação de imigrantes”.

O diretor nacional adjunto, José Luís do Rosário Barão, assume a direção do órgão em regime suplente. Outro diretor adjunto, Fernando Parreiral da Silva, será responsável pela reformulação das ações do SEF.

 

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.