Portugal volta a exigir certificado de vacinação em restaurantes

Portugal terá, a partir de 1º de dezembro, novas regras para conter um recente avanço da pandemia de Covid-19. As medidas foram anunciadas na tarde desta quinta-feira (25) pelo primeiro-ministro, António Costa, após reunião do Conselho de Ministros.

Segundo o líder do país, os certificados de vacinação voltarão a ser obrigatórios para entrada em restaurantes, hotéis e academias. Testes negativos e confirmação de recuperação da doença também serão aceitos. Diferente do passado, em que o uso era apenas necessário aos finais de semana, a exigência será diária. 

Nas casas noturnas, mesmo as pessoas vacinadas, precisarão de um teste negativo. O mesmo vale para “grandes eventos esportivos” sem lugares marcados, além das visitas em hospitais e lares de idosos.  As máscaras serão obrigatórias em todos os espaços fechados.

O trabalho remoto também volta a ser recomendado pelo governo. As autoridades ainda aconselham a a realização de testes rápidos com frequência, especialmente antes de reuniões familiares ou que envolvam um grande número de pessoas.

Em relação às fronteiras, o primeiro-ministro garante que não existe o objetivo de proibir as viagens novamente. No entanto, o governo anunciou o reforço da fiscalização dos testes. Os exames, que já são obrigatórios para quem chega do Brasil e não foi vacinado na Europa, por exemplo, serão expandidos para todos os passageiros, independentemente da origem.

Além da fiscalização já existente, o governo contratou seguranças privados para abordar todos os passageiros dos aeroportos em relação aos testes. António Costa salientou que as companhias aéreas só podem permitir o embarque de viajantes com exame.

O primeiro-ministro classificou como “irresponsabilidade” deixar que os passageiros entrem nos aviões sem a certificação negativa para a doença. O líder português confirmou que as companhias aéreas poderão receber sanções, como serem banidas do espaço aéreo, caso não cumpram com a regra. Já os passageiros que chegarem ao país sem teste terão que pagar uma multa de 20 mil euros.

Semana de trabalho remoto obrigatório em janeiro

O primeiro-ministro também anunciou que, de 2 a 9 de janeiro, as pessoas devem ter o menor contato social possível. Neste período, o trabalho remoto será obrigatório quando a função permitir e casas noturnas e bares ficarão fechados. 

Nesta mesma semana as aulas, em todos os níveis de ensino, serão suspensas. De acordo com Costa, o objetivo é que seja um mês de janeiro diferente de 2021, quando Portugal teve o maior número de mortes e casos de toda a pandemia.

Mais de três mil casos

Pelo segundo dia seguido, o país superou os três mil casos confirmados da doença em 24 horas. Os números são os mais altos dos últimos quatro meses. Os internamentos também sobem nos últimos 19 dias seguidos, chegando a um total de 691 pessoas internadas e 103 pacientes sob cuidados intensivos.

Portugal é um dos países com maior cobertura vacinal, com quase 90% da população totalmente imunizada contra o vírus. O Ministério da Saúde começou a aplicar a terceira dose em idosos e pessoas que foram vacinadas com Janssen.

Compartilhar

1 Comment

  • […] A cinco dias do início da obrigatoriedade de apresentação de um certificado de vacinação válido em Portugal para o acesso a inúmeros estabelecimentos, o governo brasileiro ainda não entrou em acordo com o governo luso para que o comprovante do Brasil seja reconhecido. Com isso, a partir do dia 1º de dezembro, será mais difícil para brasileiros realizarem atividades turísticas em solo português, pois sem o documento será necessário apresentar um teste negativo para a Covid-19 na entrada em hotéis, bare….  […]

Não é possível deixar seu comentário no momento.