Covid-19: Grécia impõe teste obrigatório a trabalhadores não vacinados

Com o objetivo de garantir que a população do país se imunize contra a Covid-19, a Grécia vai adotar inúmeras medidas para pessoas não vacinadas que incluem testagens semanais obrigatórias para estudantes e trabalhadores dos mais diversos setores. Além disso, profissionais da área da saúde não imunizados serão suspensos das atividades.

Pessoas que não tiverem tomado as duas doses da vacina também serão proibidas de frequentar áreas internas de restaurantes e bares. As restrições entram em vigor no mês de setembro, conforme anúncio feito nesta terça-feira (24) pelo ministro da Saúde grego, Vassilis Kikilias:

“Gostaria de dizer que essas medidas não são paternalistas nem, é claro, punitivas. É, no entanto, o que devemos fazer como Estado responsável. É nosso dever para com todos aqueles que perderam a batalha antes de serem vacinados”, defendeu Kikillias.

O ministro enfatizou que, atualmente, 90% das pessoas que estão hospitalizadas em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) não foram vacinadas. Kikillias apontou que segundo dados dos últimos dois meses, o país vive uma “pandemia de não vacinados em termos de casos graves e intubações”.

Com isso, o governo decidiu que não irá mais restringir o atendimento a pessoas vítimas de outras doenças, como ocorreu anteriormente na pandemia, quando foram priorizados pacientes com Covid-19. O argumento do ministro da Saúde é de que o cenário agora é diferente e as pessoas tem a possibilidade de se vacinar.

Testes obrigatórios para não vacinados

De acordo com as novas regras, professores e acadêmicos não vacinados, além de profissionais das áreas de turismo, alimentação, televisão, cinema, teatro, música e produções de dança, devem realizar dois testes rápidos de laboratório de antígenos por semana entre os dias 13 de setembro de 2021 e 31 de março de 2022. Já os demais trabalhadores não vacinados dos setores público e privado deverão passar por um teste rápido de antígeno de laboratório uma vez por semana.

A testagem irá ocorrer exclusivamente em centros de diagnóstico privados, a um valor de 10 euros, que será pago pelo próprio profissional. O resultado será emitido em um certificado digital e deve ser submetido em uma plataforma do governo. O empregador, por lei, tem o direito de saber se os funcionários estão vacinados e é obrigado a verificar a validade do documento para os que não tomaram a vacina.

Os estudantes não vacinados serão submetidos à mesma regra, sendo obrigatória a realização de dois exames semanais. No caso de adolescentes, no entanto, o custo será arcado pelo governo. Além deles, a partir do dia 13 de setembro, apenas pessoas vacinadas ou que possuam alguma doença que impeça a imunização poderão ser testadas gratuitamente.

Os testes de antígeno serão obrigatórios também para pessoas não imunizadas que entrarem no país e devem ser realizados em até 48 horas antes do embarque. As sanções caso as medidas não sejam cumpridas incluem suspensão do emprego para funcionários, proibição de frequentar aulas para alunos e proibição de viagens.

Esse é o caso de profissionais da área da saúde e trabalhadores em hospitais e unidades básicas de saúde que não tiverem sido vacinados com pelo menos a primeira dose ou não tiverem nenhuma doença atestada no último semestre. A partir do dia 1° de setembro, eles serão suspensos do trabalho, explicou o ministro da Saúde.

De acordo com o governo, a vacinação obrigatória também é válida para profissionais de clínicas privadas e farmacêuticos que atuam no âmbito da atenção primária. O país aprovou uma lei que prevê multas e sanções para quem descumprir.

Restrições em espaços públicos

Entre os dias 13 de setembro e 31 de março, as áreas internas de restaurantes, cafés, bares e boates só poderão ser frequentadas por quem tomou a vacina contra a Covid-19 ou se recuperou da doença nos últimos seis meses. Será obrigatória a verificaçao de um atestado na entrada dos estabelecimentos.

A mesma medida será adotada em áreas fechadas e abertas de estádios e quadras esportivas. Já em áreas fechadas de teatros, cinemas, museus e sítios arqueológicos, mesmo quem tomou a vacina deverá apresentar um teste rápido negativo para Covid-19 realizado nas últimas 48h, que é fornecido gratuitamente pelo governo.

No caso de clubes esportivos e ginásios, também será permitida a entrada de pessoas não vacinadas, desde que elas apresentem resultado negativo para teste rápido de coronavírus. Os locais que decidirem abrir apenas para pessoas vacinadas e recuperadas poderão operar com 100% da capacidade.

Em todas as áreas internas e externas onde ocorra a reunião de pessoas, deve ser disponibilizado um lembrete para o uso de máscara. São consideradas vacinadas as pessoas que completaram 14 dias após tomar a segunda dose de um imunizante contra a Covid-19.

Na Grécia, cerca de seis milhões de pessoas foram vacinadas até o momento e o objetivo do governo é atingir 80% da população imunizada. De acordo com o Ministério da Saúde, a metá é que mais um milhão de doses sejam administradas para que sejam atingidos índices semelhantes a outros países europeus, como Portugal e Espanha.

Compartilhar