Alemanha retira restrições para viajantes de Portugal e do Reino Unido

Passageiros com certificado de vacinação ficam isentos da quarentena. Foto: Canva


A Alemanha retirou, nesta segunda-feira (5), Portugal e Reino Unido da lista vermelha de viagens pelo risco de variantes da Covid-19. O anúncio foi realizado pelo Instituto Roberto Koch, que agora classifica os países como “área de incidência elevada”. A diminuição das restrições, que também inclui Rússia, Índia e Nepal, passa a valer na quarta-feira (7).

Na prática, os viajantes que tenham estado nesses países nos últimos 10 dias poderão entrar na Alemanha, desde que apresentem um teste negativo ou certificado de vacinação. Aqueles que não tiverem o certificado deverão fazer uma quarentena de 10 dias. No entanto, o isolamento pode ser reduzido para metade do tempo se um teste realizado no quinto dia tiver resultado negativo.

Até então, as viagens estavam autorizadas apenas aos cidadãos residentes, porque a Alemanha considerava os países como “zonas de variantes”. Nesta lista vermelha, seguem outras 11 nações, entre elas, o Brasil.

A lista de restrições havia sido divulgada pelo governo alemão no dia 26 de junho e foi criticada por Portugal: “Lamentamos a decisão alemã de considerar Portugal um país de risco, independentemente da variação regional e sem ter em conta o certificado digital Covid-19”, destacou o Ministério dos Negócios Estrangeiros através de sua conta oficial no Twitter.

A decisão também foi criticada pela Comissão Europeia, que realizou esforço para tornar uniformes as regras de viagens dentro do bloco neste verão. O porta voz Christian Wigand disse, em coletiva de imprensa, que “as medidas alemãs não parecem estar totalmente alinhadas” com a recomendação da comissão.

Com a nova classificação da Alemanha, o bloco passa a ter regras uniformes de viagens entre os países da União Europeia (UE), mediante o “Certificado Covid”. O documento entrou em vigor oficialmente no dia 1° de julho com mais de 200 milhões de certificados emitidos aos cidadãos europeus.

Compartilhar