Empresas projetam contratar quase 350 mil trabalhadores em Portugal

As as empresas da área de informação e comunicação são que a.s mais possuem intenção de aumentar as equipes.
Foto: Pressfoto


Empresas pretendem contratar mais de 345 mil trabalhadores até 2022 em Portugal. A estimativa faz parte de um levantamento realizado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e que contou com a participação de 4.313 empresas.

O aumento nas contratações é de aproximadamente 10%. Destes, cerca de 50% deverão ter um curso profissional e 32,2% ensino superior. Já 17% das vagas serão destinadas a pessoas que não possuem qualificação específica. Na comparação com 2018, as intenções de contratação correspondem a aumento de 17,8% de profissionais com ensino superior e 9,1% de trabalhadores sem graduação.

Profissionais mais procuradas

Entre as profissões mais buscadas pelos empregadores, está a de garçom para bares e restaurantes, com exigência do ensino fundamental completo e certificação profissional. Técnicos de comércio, também com certificação e ensino médio completo é outra vaga bastante procurada pelo mercado.

No caso dos trabalhadores com ensino superior, as áreas com maior empregabilidade são telecomunicações, gestão comercial e vendas, além de profissões ligadas à informática, como engenheiro de computadores e softwares.

Ainda de acordo com o estudo, as empresas da área de informação e comunicação são que as mais possuem intenção de aumentar as equipes: “As intenções de recrutamento correspondem a um aumento de cerca de 50% face ao número de trabalhadores atuais com este nível de ensino”, destaca a publicação.

Leia mais
– Portugal tem primeiro dia sem mortes por Covid-19 desde março
– Portugal recebe 300 mil brasileiros a menos na pandemia
– Amazon cria mil novas vagas de trabalho na Irlanda

Dificuldade de recrutamento

As empresas apontaram na pesquisa que a maior dificuldade na contratação está no fato de os trabalhadores não terem a formação adequada. Outros fatores apontados são a inexistência de trabalhadores disponíveis no mercado, a falta de experiência e as exigências salariais.

Entre as profissões mais difíceis de recrutamento, está a de pedreiro, empregado de restaurante, eletricista, serralheiro e operador agrícola. No caso dos trabalhadores com ensino superior, empresas possuem mais dificuldades em contratar engenheiros civis e do meio ambiente, gestores, profissionais na área do turismo e terapeutas.

Lisboa deve liderar as contratações

O relatório ainda aponta que 39,5% das intenções de recrutamento devem ocorrer em Lisboa e Região Metropolitana. Em segundo lugar é o Norte do país, com 32%, seguida do Centro (13%) e Algarve, com 8,8%. Os locais apontados como outros locais de contratações são o Alentejo, no Sul do país, e as ilhas de Madeira e Açores.

A pesquisa foi realizada entre março e junho de 2020, através da internet. A taxa de resposta foi considerada alta, com 73,2%. O estudo refere que os resultados obtidos devem em parte refletir o ambiente excecional que a atividade econômica enfrenta em razão da pandemia de Covid-19.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.