Rússia ataca Ucrânia e União Europeia convoca reunião emergencial

A Rússia iniciou, nesta madrugada (24), os ataques à Ucrânia. Explosões foram ouvidas na capital Kiev e nas cidades de Carcóvia e Odessa. Em comunicado, o governo ucraniano afirma que o ‘’objetivo da operação militar ofensiva russa é destruir o Estado ucraniano, tomar pela força o território e estabelecer o controle ocupacional’’.

A Ucrânia ainda declarou que está pronta para proteger o país e pediu à comunidade internacional para ‘’agir imediatamente’’, com sanções econômicas, fornecimento de armas e equipamento militar. De acordo com o Ministério da Defesa, já foram abatidos cinco aviões e um helicóptero russo desde o início da ofensiva, além de tanques e caminhões. 

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, confirmou que está formando uma coalizão ‘’anti-putin’’ com representantes de diversos países, incluindo a Alemanha e a Polônia. Zelensky ainda informou que fechou o espaço aéreo e continua em constante diálogo com os líderes de potências mundiais em busca de suporte.

Em discurso, o presidente russo, Vladimir Putin, disse que os ataques de hoje “estão relacionados à proteção da própria Rússia daqueles que tomaram a Ucrânia como refém e tentam usá-la contra nosso país e seu povo”. O líder da Rússia ainda declarou que quem criar ameaças ao país “deve saber que a resposta da Rússia será imediata e o levará a tais consequências que você nunca enfrentou em sua história”.

“Horas mais sombrias da Europa desde a Segunda Guerra Mundial”

A União Europeia (UE) convocou uma reunião de emergência para definir um pacote de medidas ainda mais pesadas do que as já anunciadas à Rússia. O vice-presidente da Comissão Europeia, Josep Borrell, afirmou que estas são as “horas mais sombrias da Europa desde a Segunda Guerra Mundial”. Josep condenou o ataque, classificado por ele como “bárbaro e com argumentos cínicos” e “sem sentido”.

A presidente da comissão, Ursula von der Leyen, declarou apoio à Ucrânia e ressaltou que a UE “não permitirá que o presidente Putin destrua a arquitetura de segurança da Europa”. A líder europeia complementou que o presidente russo “não deve subestimar a determinação e a força de nossas democracias”. Josep e Ursula pontuaram que o bloco vai ‘’responder nos termos mais fortes possíveis e concordará com o pacote de sanções mais severo já implementado’’. 

A lista de sanções inclui ações contra 27 “indivíduos e entidades de alto perfil que desempenharam um papel no enfraquecimento ou ameaça de integridade territorial, soberania ou independência da Ucrânia”. Os nomes não foram divulgados, mas a UE confirma que incluem “bancos, empresários, oligarcas, altos militares e indivíduos responsáveis por liderar uma guerra de desinformação contra a Ucrânia”. O pacote foi adotado oficialmente na quarta-feira (23) pelas autoridades europeias.

Nesta quinta-feira (24), diversas reuniões estão convocadas ao longo do dia. A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) vai se reunir com líderes europeus ainda nesta manhã. Declarações à imprensa estão agendadas para às 13h15min (horário de Londres). 

Brasileiros não devem sair de casa em Kiev

A Embaixada do Brasil em Kiev orientou, nesta manhã, que os brasileiros que residem na capital ucraniana não saiam de casa, “exceto se houver ativação de sirenes” e que as pessoas sigam as recomendações das autoridades locais. Ao mesmo tempo, o pedido é que os brasileiros não se dirijam para a embaixada. Ainda de acordo com o comunicado, outras orientações serão informadas ao longo do dia. 

Na quarta-feira (23), a Ucrânia declarou estado de sítio no país por 30 dias, o que permite que os governantes decretem medidas extraordinárias durante o período, a fim de ”garantir a segurança e defesa nacional”. A ação foi tomada pelos líderes ucranianos depois de a Rússia reconhecer, na última segunda-feira (24), Donetsk e Luhansk como regiões independentes.

Compartilhar