União Europeia apresenta as 10 profissões mais procuradas em 2022

Quando o gaúcho Eduardo Piccin (30) aterrissou na Irlanda, há três anos, o brasileiro tinha dois planos principais: “morar em um lugar mais seguro” e “ter mais oportunidades de trabalho”. Em pouco tempo residindo no país, o até então analista contábil começou a atuar em uma atividade bem diferente daquela que exercia no Brasil: a de bartender, função que executou com atenção por alguns meses, antes de migrar para uma área mais técnica.

O trabalho exercido por Eduardo é um dos que aparecem na lista dos mais requisitados na União Europeia (UE) entre os primeiros trimestres de 2021 e de 2022. Recentemente, o Gabinete de Estatísticas da UE (Eurostat, sigla em inglês) divulgou um relatório com as 10 profissões que mais ofereceram oportunidades de emprego no bloco, o qual também inclui profissionais da área de Tecnologia da Informação (TI), administradores e diversos outros.

A função de auxiliar de cozinha foi a que mais requisitou mão-de-obra entre os dois períodos. Na comparação entre os trimestres de 2021 e 2022, o número de profissionais nessa área saltou de 1,1 para quase 1,4 milhão, representando um aumento de 25%.

Leia também
Reino Unido entra em alerta vermelho e prevê recorde de temperatura
Conversão de CNH do Brasil deixa de ser obrigatória em Portugal

Quem oferece serviços pessoais também tem sido bastante requisitado na União Europeia. A procura por atendentes de viagens, motoristas, guias, cozinheiros, garçons e bartenders, cabeleireiros, esteticistas, supervisores de construção e limpeza aumentou 15,6% entre os primeiros três meses de 2021 e o mesmo período de 2022. No primeiro trimestre deste ano, essas funções correspondiam a 7,6 milhões de profissionais no bloco europeu.

Já quem trabalha na área da tecnologia da informação ou comunicação, como desenvolvedores de software e aplicativos ou analistas de dados, ficou na terceira posição das profissões mais demandadas na UE. No início deste ano, 4,5 milhões de pessoas atuavam nesta área, em algum dos 27 países que compõem a União Europeia.

Para realizar o levantamento, a Eurostat considerou apenas os trabalhos com mais de 100 mil profissionais empregados no período analisado. A categorização de cada uma das atividades segue o manual de Classificação Padrão internacional de Profissões (ISCO, sigla em inglês).

Embora a atividade de auxiliar de cozinha tenha sido a que mais teve aumento de procura no período, em números absolutos, a função ocupada por profissionais da área de negócios ou administração é, de longe, a que mais emprega trabalhadores no bloco. Nos primeiros três meses deste ano, 8,65 milhões de pessoas exerciam funções nesta área na União Europeia.

Compartilhar