Portugal: Justiça condena trio por falsificar documentos para imigrantes


Três imigrantes foram condenados pela Justiça portuguesa por falsificarem documentos para facilitar a entrada de estrangeiros no país. O trio também foi penalizado pelos crimes de auxílio à imigração ilegal e por violar a proibição de entrada em Portugal. A confirmação foi feita pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), responsável pela investigação do caso, iniciada em março do ano passado.

Na ocasião, um cidadão estrangeiro foi preso no Aeroporto de Lisboa pelos agentes de Imigração quando tentava auxiliar um adolescente a entrar ilegalmente em Portugal. De acordo com o SEF, o jovem embarcou em Luanda, capital de Angola, supostamente com destino final a Cabo Verde. Depois, outros dois indivíduos foram presos e identificados como organizadores de viagens com documentos falsos.

Conforme comunicado oficial, as penas foram de cinco anos e oito meses de prisão para um dos acusados e quatro anos e três meses de detenção para outro criminoso. Já o terceiro acusado, identificado pelos investigadores como “transportador”, teve decretada pena de um ano e quatro meses de prisão. Um deles ainda foi condenado a ser expulso do país e ter a entrada proibida por um período de cinco anos.

Fiscalização nos aeroportos

Na semana passada, os agentes do SEF prenderam cinco estrangeiros pelos crimes de falsificação de documentos e auxílio à imigração ilegal. De acordo com comunicado do órgão, o grupo, que tentou embarcar para a Irlanda, usava documentos de identificação italianos “com fortes indícios de contrafação [fraude]”.

Segundo a Direção Central de Investigação do SEF, todos os casos suspeitos estão sendo investigados. Atualmente, segundo as autoridades de imigração, com o retorno gradual dos voos de diferentes países, a fiscalização segue reforçada.

Compartilhar