Ataque à TAP: hackers divulgam dados do presidente de Portugal

O presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, está entre as vítimas que tiveram dados pessoais divulgados após ataque de hackers ao banco de dados da companhia aérea TAP. A confirmação foi divulgada na manhã de hoje (23) pela assessoria do líder português.

Após o vazamento, o gabinete da presidência declarou que foram adotadas medidas preventivas imediatas. Segundo a assessoria, dentre as informações divulgadas, a única que estava fora do conhecimento do público era o email do presidente Rebelo. Há três dias, o grupo de hackers denominado Ragnar Locker vazou dados pessoais de aproximadamente 1,5 milhão de clientes da companhia aérea portuguesa.

Após o ataque, o grupo fez acusações graves em relação à proteção dos dados dos clientes da TAP. Os hackers afirmaram que “todas as informações pessoais na rede TAP não foram, de nenhuma forma, criptografadas, [mas] apenas estavam em um servidor de arquivos públicos (…)”. Por último, os participantes do Ragnar Locker declararam que a suposta ausência de segurança dos dados de clientes da TAP ainda não havia sido corrigida após os vazamentos, permitindo que novos ataques pudessem ocorrer.

Dados vazados

A TAP tem enfrentado ataques aos bancos de dados desde final do mês de agosto, quando também denunciou o caso à Polícia Criminal portuguesa e ao Centro Nacional de Cibersegurança do país. Os hackers, segundo a própria companhia, conseguiram extrair dados de clientes, como nomes, nacionalidade, data de nascimento, gênero, endereço, email, telefones de contato, data de registro do cliente e número de voos. 

A empresa alega ainda que não há confirmação sobre dados de pagamento dos consumidores também terem sido roubados. Além disso, o sistema de milhas da companhia também não sofreu vazamento, declarou a TAP. Por outro lado, a empresa aconselhou os clientes a alterarem as senhas de acesso ao sistema:

“Apesar de a palavra-passe de acesso ao Miles & Go ou à área reservada de clientes não constar nos dados de clientes afetados, por precaução, recomendamos que verifique as condições de segurança que utiliza para acessar à área reservada, nomeadamente utilizando uma senha forte e alterando-a frequentemente”, orienta a companhia.

Sobre medidas preventivas, a empresa portuguesa declarou que montou uma “equipe de especialistas internos e externos de TI e especialistas forenses líderes do setor para investigar minuciosamente e evitar mais danos”. Além disso, destacou que todos “os sistemas afetados foram isolados e a limpeza desses sistemas promovida”.

Acusações sobre falta de segurança

O Agora Europa contactou a empresa TAP para verificar a veracidade das acusações do grupo Ragnar Locker em relação à suposta fragilidade na proteção dos dados de clientes da companhia, que teriam facilitado o vazamento das informações pessoais das vítimas. Até o momento da publicação desta reportagem, a empresa não havia respondido ao Agora Europa.

Compartilhar