Suíça vai permitir casamento gay a partir de julho de 2022

Governo definiu a data após um referendo que teve apoio de maioria da população. Foto: Canva


O dia 1° de julho de 2022 será especial para homossexuais na Suíça. A partir desta data, casais homoafetivos terão autorização para casar no país ou de converter em casamento a “parceria registrada”, uma espécie de união estável. A decisão foi tomada pelo governo suíço nesta quarta-feira (17) e levou em conta o resultado de um referendo realizado no final de setembro, que contou com 64% dos votos favoráveis

“A grande maioria da população e dos estados aceitou o casamento para todos durante a votação popular de 26 de setembro de 2021”, revela o comunicado oficial divulgado hoje. Segundo o documento, apesar de a decisão só entrar em vigor no mês de julho, os casais podem iniciar o processo da documentação antes da data. 

No caso das pessoas em união estável, permitida desde 2007, bastará apenas apresentar uma declaração oficial conjunta em um cartório. A partir da mesma data, não será mais permitido realizar “parcerias registradas” no país. No entanto, aqueles que queiram manter o atual status, sem converter em casamento, não são obrigados a fazer a mudança, esclarece o governo. Com a possibilidade de casamento homoafetivo, os casais passam a ter os mesmos direitos que os casamentos heterossexuais, como a adoção de crianças, além de facilitar a cidadania para os seus cônjuges.

A permissão para o casamento entre pessoas do mesmo sexo na Suíça enfrentou um longo percurso. Após mais de sete anos de discussões no Parlamento, a medida foi aprovada por maioria no ano passado. No entanto, o Partido Popular Suíço (SVP), com apoio de grupos religiosos e conservadores, conseguiu 50 mil assinaturas contrárias para convocar um referendo que consultou a população suíça. 

Com a derrota no referendo, o governo federal definiu hoje a data início da mudança na lei. A notícia foi celebrada por organizações, coletivos e movimentos que lutavam pela causa da Suíça. O movimento “Operação Líbero”, que luta por ideiais liberais no país, comemorou a decisão em publicação no Twitter com a frase “Espalhe o amor”.

Compartilhar