Johnson & Johnson suspende envio de vacina da Covid-19 para a Europa

A farmacêutica norte-americana Johnson & Johnson (J&J) confirmou, nesta terça-feira (13), que decidiu “adiar proativamente o lançamento da nossa vacina na Europa”. A medida foi anunciada após o Centro de Controle e Prevencão de Doenças dos Estados Unidos (CDC) e a agência americana de administração de alimentação e medicamentos (Food and Drug Administration – FDA, em inglês) recomendarem uma pausa no uso do imunizante no país.

As reguladoras americanas descreveram a medida como uma “abundância de cautela”. Segundo o comunicado, estão sendo analisados dados envolvendo seis casos de um tipo raro e grave de coágulo sanguíneo que se manifestou em pacientes que receberam a dose da vacina J&J nos Estados Unidos (EUA). As pessoas apresentaram os sintomas entre seis a 13 dias após a vacinação e são todas mulheres com idades entre 18 e 48 anos. Até ontem, 6,8 milhões de doses da vacina foram administradas no país norte-americano.

“Isso é importante, em parte, para garantir que a comunidade de profissionais de saúde esteja ciente dessas situações adversas e possa planejar a identificação e a administração adequada devido ao tratamento exclusivo necessário para esse tipo de coágulo sanguíneo”, enfatizou a FDA. Uma nova reunião para análise dos casos está prevista para esta quarta-feira (14).

De acordo com Marta Temido, ministra da Saúde de Portugal, país que está na presidência do Conselho da União Europeia, os Estados-Membros estavam à espera das primeiras doses do imunizante. A previsão é de que o recebimento ocorreria nesta semana. Até o momento, nenhuma vacina da farmacêutica foi aplicada pelos países europeus, segundo a ministra. Temido destacou que reitera a confiança nas agências reguladoras e declarou que a vacina “é a melhor arma a longo prazo pra sairmos dessa doença”.

A comissária europeia para a Saúde e Segurança Alimentar, Stella Kyriakides, destacou que a situação está sendo monitorada de perto pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA, singla em inglês) e demais órgãos de vigilância: “A segurança da vacina é sempre primordial”, enfatizou por meio de publicação nas redes sociais. A vacina da J&J foi aprovada para uso na União Europa no dia 11 de março de 2021. O contrato, já assinado, prevê a compra de 400 milhões de doses.

O que diz a farmacêutica

Em nota, a Johnson & Johnson pontuou que “a segurança e o bem-estar das pessoas que usam nossos produtos são nossa prioridade número um. Estamos cientes de um distúrbio extremamente raro envolvendo pessoas com coágulos sanguíneos em combinação com plaquetas baixas em um pequeno número de indivíduos que receberam nossa vacina Covis-19”. Até o momento, não foi definido novo prazo para o envio das doses aos Estados-Membros da União Europeia.

Leia também
Comissão Europeia pede que países mantenham restrições ao Brasil

Após pressão de médicos, França suspende todos os voos do Brasil

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *