Vacinação passa a ser obrigatória para maiores de 50 anos na Itália


Após estabelecer a obrigatoriedade aos profissionais de saúde e de escolas na Itália, o governo também determinou que a vacinação contra a Covid-19 deve ser compulsória para pessoas com mais de 50 anos no país. Outra categoria incluída na obrigatoriedade foram os trabalhadores de universidades. As medidas foram aprovadas na noite passada (5) pelo Conselho de Ministros e entram em vigor quando forem publicadas no diário oficial italiano, cuja data ainda não foi estipulada.

Segundo o governo italiano, o objetivo da medida é “desacelerar a curva de crescimento das infecções relacionadas à pandemia e dar maior proteção às categorias mais expostas e com maior risco de hospitalização”. Com a nova decisão, a partir de 15 de fevereiro, os trabalhadores com 50 anos completos não podem mais utilizar exames negativos para acesso às empresas. Apenas o comprovante de imunização será aceito, diz o governo.

As autoridades do país já haviam determinado, em setembro, que todos os trabalhadores públicos e privados precisariam do certificado de vacinação, recuperação ou um teste negativo para acesso aos locais de trabalho. O Conselho de Ministros também decidiu estender a necessidade do comprovante de vacinação, recuperação ou teste para acessos a outros estabelecimentos. Na lista, estão as repartições públicas, bancos e correios.

Desde o ano passado, a Itália tem introduzido novas regras com objetivo de incentivar a vacinação da população. No início de dezembro, o acesso às áreas internas de restaurantes e espaços culturais passou a ser permitido somente para pessoas imunizadas contra o coronavírus.

Atualmente, a Itália tem 89,13% da população acima de 12 anos totalmente vacinada contra a Covid-19, de acordo com o relatório do Ministério da Saúde. Ao mesmo tempo, 69% da população elegível já recebeu uma dose de reforço no país.

Entre os menores de 11 anos, a imunização começou no mês passado. Já foram administradas mais de 435 mil doses, o equivalente a 11,90% das crianças e adolescentes desta faixa etária. 

Recorde de casos

Assim como em outros países europeus, a Itália tem registrado recorde diário de casos confirmados da doença. De acordo com o relatório oficial de quarta-feira (5), mais de 189 mil novas infecções foram registradas no país, quase 20 mil positivos a mais do que no dia anterior. Também ocorreram 291 mortes em decorrência do vírus, 28 a menos que relatório passado.

Estão hospitalizadas 13.364 pessoas e outras 1.428 estão em cuidados intensivos, um acréscimo de 132 pacientes graves nas últimas 24 horas. Mais de 1,4 milhões de pessoas no país estão em isolamento domiciliar.

Compartilhar