França paga bônus de Natal para 2,3 milhões de famílias de baixa renda

Famílias de baixa renda na França recebem, nesta quarta-feira (15), um bônus de Natal pago pelo governo do país. Segundo comunicado do Ministério da Solidariedade e Saúde, a medida vai auxiliar 2,3 milhões de famílias.

O valor oferecido às pessoas mais vulneráveis financeiramente varia de 152 euros até  442 euros, conforme o tipo de benefício em que o cidadão está cadastrado e o número de filhos por casal. Pessoas que moram sozinhas, inscritas nos programas sociais, também serão beneficiadas pelo bônus. 

O pagamento para as famílias já cadastradas pelo governo será automático. Se a pessoa passou a ser beneficiária neste mês, o valor será pago somente em janeiro. 

De acordo com Olivier Véran, ministro da Solidariedade e da Saúde, o objetivo  do pagamento é “apoiar o poder de compra dos franceses”. A escolha da data para o depósito ocorre antes do Natal, para que as pessoas possam ir às compras antes da data festiva.

A iniciativa ocorre desde 1998 na França. Em 2020, o bônus foi concedido para 2,5 milhões de famílias, 200 mil a mais do que o número beneficiado nesta edição. Os valores, no entanto, permanecem os mesmos. 

Subsídio inflação

Além do bônus de Natal, o governo francês irá pagar um auxílio chamado de “subsídio inflação”, no valor de 100 euros. O calendário de pagamento varia conforme a categoria profissional, sendo que algumas profissões já começaram a ser contempladas, de acordo com comunicado oficial.

Conforme o documento, o objetivo da medida é “preservar seu poder de compra em face da inflação observada no final de 2021”. O governo estima que 38 milhões de pessoas que vivem no país terão direito ao subsídio.

Cheque para eletricidade

Um terceiro auxílio financeiro, denominado “cheque energia” começou a ser pago nesta semana pelo governo da França para ajudar a população no pagamento da conta de energia. O cheque único no valor de 100 euros será pago “no final deste ano”, segundo Jean Castex, primeiro-ministro francês. De acordo com o líder do país, “o aumento dos preços da energia afeta principalmente as famílias mais pobres”, por isso, o novo auxílio foi criado.

Compartilhar