França concede cidadania a 12 mil imigrantes por trabalho na pandemia

O Ministério do Interior da França concedeu, nesta quinta-feira (9), a cidadania francesa para 12.012 imigrantes que trabalharam na linha de frente durante a pandemia de coronavírus no país. Uma cerimônia de celebração, realizada no Panthéon, marcou a concessão da naturalização aos profissionais.

Entre os trabalhadores e trabalhadoras contemplados, estão profissionais de saúde, agentes de segurança e manutenção, funcionários de empresas de serviços essenciais, como coletores de lixo e colaboradores de creches, além de pessoas que prestaram auxílio domiciliar durante o período de crise sanitária. Na ocasião, Marlène Schiappa, ministra delegada da cidadania no Ministério do Interior, agradeceu aos imigrantes pelo serviço prestado à nação e deu as boas vindas aos novos cidadãos franceses:

“Esses trabalhadores da linha de frente responderam à nação. É normal que a nação dê um passo em sua direção. Quero dar as boas vindas aos nossos novos compatriotas de nacionalidade francesa e dizer obrigado em nome da República: o país também resistiu graças a eles!“, declarou Marlène.

Em setembro do ano passado, o ministério anunciou que facilitaria o processo de naturalização dos estrangeiros que prestavam serviços essenciais na França durante a crise de saúde. Para acelerar a concessão do passaporte francês aos imigrantes, o período mínimo de residência no país foi reduzido de cinco para dois anos. Desde então, o gabinete da ministra delegada da cidadania recebeu mais de 16 mil pedidos de naturalização de residentes de diversas nacionalidades.

De acordo com a Agência Nacional de Saúde Pública da França, desde o início da pandemia, foram registrados 6,87 milhões de casos de Covid-19 no país e mais de 49 mil mortes em decorrência do vírus. Até agora, 73,5% da população já recebeu uma dose da vacina, enquanto 68,8% estão totalmente vacinadas, segundo dados oficiais do governo.

Compartilhar