Nobel da Paz premia jornalistas que lutam pela liberdade de expressão

Os jornalistas Maria Ressa e Dmitry Andreyevich Muratov receberam, de forma conjunta, o Prêmio Nobel da Paz 2021, nessa sexta-feira (8). O anúncio, realizado em Oslo pelo comitê norueguês da Fundação Nobel, destacou os profissionais pelos esforços individuais em defender a liberdade de expressão em seus países, Filipinas e Rússia.

Para o equipe organizadora do prêmio, trata-se de uma condição prévia para a democracia e uma paz duradoura. Ressa e Muratov recebem a honra em nome de todos os jornalistas que defendem o ideal “em um mundo em que a democracia e a liberdade de imprensa enfrentam condições cada vez mais adversas”, de acordo com a representante da Fundação, Berit Reiss-Andersen, responsável pelo anúncio.

Maria Ressa, cofundadora da Rappler, empresa digital de jornalismo, expõe o uso da violência e o crescente autoritarismo em seu país natal, Filipinas. Desde 2012, como jornalista e CEO da empresa, Ressa expôs o regime de Rodrigo Duterte, presidente da nação, pelo alto número de mortes e o uso das redes sociais para disseminar notícias falsas e manipular o discurso público. Para a Fundação Nobel, a jornalista é uma “defensora destemida da liberdade de expressão”.

Dmitry Andreyevich Muratov, russo e cofundador do jornal independente Novaja Gazeta, atua desde 1993 primando pelo jornalismo baseado em fatos. Desde a criação do periódico, seis jornalistas foram assassinados, mas, de acordo com a Fundação Nobel, mesmo com ameaças, assédios, violência e mortes, Muratov “se recusou a abandonar a política independente do jornal”. Editor-chefe do informativo há 24 anos, o jornalista defende consistentemente o direito dos colaboradores de escreverem o que quiserem sobre o que quiserem, desde que cumpram os padrões profissionais e éticos da profissão.

Esclarecendo a decisão, o comitê salientou a importância de um jornalismo gratuito, independente, e baseado em fatos para combater abusos de poder, mentiras e propaganda de guerra:

“O Comitê Norueguês do Nobel está convencido de que a liberdade de expressão e a liberdade de informação ajudam a garantir um público informado. Esses direitos são pré-requisitos cruciais para a democracia e protegem contra guerras e conflitos. A entrega do Prêmio Nobel da Paz a Maria Ressa e Dmitry Muratov tem como objetivo destacar a importância de proteger e defender esses direitos fundamentais. Sem liberdade de expressão e de imprensa, será difícil promover com sucesso a fraternidade entre as nações, o desarmamento e uma ordem mundial melhor para ter sucesso em nosso tempo. A atribuição deste ano do Prêmio Nobel da Paz está, portanto, firmemente ancorada nas disposições do testamento de Alfred Nobel.”

Desde 1901, 102 prêmios Nobel da Paz foram distribuídos pela Fundação. Em 2021, a recompensa em dinheiro para cada uma das categorias é de 10 milhões de coroas suecas, o equivalente a quase um milhão de euros.

As categorias de Medicina, Física, Química, Literatura e Economia tem as suas premiações divulgadas na Suécia, porém, por declaração no testamento de Alfred Nobel, criador do Prêmio, o Prêmio Nobel da Paz deveria ser escolhido por um comitê norueguês. Quando Alfred Nobel estava vivo, a Noruega e a Suécia estavam unidas sob o comando do mesmo monarca, até 1905, quando a Noruega se tornou um reino independente.

Compartilhar