UE investe € 1 bi em projetos de energia renováveis de oito países europeus


A União Europeia (UE) anunciou, nesta terça-feira (16), o investimento de 1 bilhão de euros para financiar projetos de energias renováveis em oito países da Europa. Segundo comunicado oficial, as iniciativas selecionadas estão localizadas na Bélgica, Espanha, Finlândia, França, Holanda, Itália, Noruega e Suécia.

Os projetos são desde a eliminação de gases do efeito estufa na produção de aço, até a produção de hidrogênio limpo, além da captura e armazenamento de carbono. Outras iniciativas são a fabricação de células fotovoltaicas inovadoras e de alto desempenho e a conversão de resíduos sólidos não recicláveis em etanol. 

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, em declarações no Twitter, afirmou que a Europa “será o continente da inovação climática” e que o investimento hoje anunciado “é só o começo” das iniciativas: “A Europa continuará investindo numa economia limpa e competitiva e nos empregos de amanhã”, ressaltou Ursula.

Para Frans Timmermans, vice-presidente da Comissão Europeia, o investimento nos programas é importante para cumprir as metas do Acordo de Paris:  “A inovação é crucial para fornecer as soluções de que precisamos nesta década para manter 1,5 graus ao alcance. Juntamente com reduções acentuadas de emissões, a inovação nos dá um caminho para o Acordo de Paris”, ressaltou Timmermans no comunicado.

De acordo com o líder europeu, o recurso investido apoia tecnologias consideradas como revolucionárias: “A decisão de hoje dá apoio concreto a projetos de tecnologia limpa em toda a Europa e permite que eles aumentem tecnologias revolucionárias que apoiam e aceleram a transição para a neutralidade climática”, ressaltou o vice-presidente, que ainda afirmou que a Europa quer avançar na “corrida global de inovação climática”.

O recurso que financia a iniciativa é da Agência Europeia de Execução para o Clima, Infraestrutura e Meio Ambiente (CINEA). Uma segunda rodada de inscrições iniciou em outubro e segue aberta até março de 2023. De acordo com o comunicado, os projetos que não foram aprovados no primeiro cadastro podem ser inscritos novamente. 

Compartilhar