Mortes por Covid-19 caem mais de 30% em duas semanas na União Europeia

A União Europeia (UE) contabilizou aproximadamente 4 mil mortes a menos por Covid-19 nas últimas duas semanas, se comparados com os 14 dias que antecederam o período. Entre 14 e 28 de março, 26 países que compõem o bloco, excluindo a Espanha*, somaram 13,9 mil óbitos. Já entre 29 de março e 12 de abril, 9,6 mil pessoas perderam a vida por causa da doença. A variação representa uma queda de 31% entre os dois períodos. Os dados foram atualizados pelo Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC, sigla em inglês) na noite dessa quinta-feira (14).

A redução dos casos de mortes também acompanha a mesma proporção em relação aos novos casos de Covid-19 detectados na UE. Na última quinzena de março, foram 9,1 milhões de diagnósticos para a doença no bloco, sendo que 37% foram registrados na Alemanha (3,4 milhões). Por outro lado, de 29 de março ao dia 12 deste mês, os países da União Europeia contabilizaram 6,14 milhões de novos casos de coronavírus. Mesmo com a queda de 31%, o território germânico segue registrando um terço de todos os diagnósticos positivos do bloco.

Leia também

Covid-19: saiba as regras de entrada em vigor nos principais países europeus
Portugal: atraso na renovação de vistos para imigrantes completa 15 dias

Na comparação entre os dois períodos, a Polônia foi o país que apresentou a maior queda no número absoluto de casos (-78%), passando de 114,6 mil para 25,3 mil, respectivamente. Em relação aos óbitos, a Finlândia apresentou redução de 94% dos registros de mortes em função da doença, passando de 185 para 11 entre as duas datas analisadas pelo ECDC.

Casos e óbitos por 100 mil habitantes

Taxa de pessoas com dose de reforço passa dos 50% na UE e EEA

Desde o início da pandemia, pelo menos 341 milhões de pessoas já receberam pelo menos uma dose da vacina contra a Covid-19 na União Europeia ou no Espaço Econômico Europeu (EEA, sigla em inglês). Dessas, 72,5% também tomaram a segunda dose e 52,9% dos vacinados também já garantiu a dose de reforço, segundo a ECDC.

A aplicação de uma segunda injeção de reforço já é, no entanto, realidade na Europa. Desde o dia 21 de março, a Inglaterra começou a oferecer a possibilidade para aproximadamente 5 milhões de pessoas, que compõem o grupo acima dos 75 anos ou imunossuprimidos com mais de 12 anos de idade. As doses oferecidas são dos laboratórios Pfizer e Moderna.

*A Espanha não consta no levantamento devido à ausência de dados do país no banco de dados da ECDC para o período comparado.

Compartilhar