Êxodo de refugiados ucranianos diminui 80% em um mês

Desde o início da invasão russa ao território ucraniano, há 38 dias, 4,1 milhões de pessoas já abandonaram o país em busca do refúgio de nações vizinhas. O êxodo teve início no primeiro dia de ataques da Rússia, em 24 de fevereiro, e atingiu o pico menos de duas semanas depois, em 7 de março. Na data, 207,3 mil ucranianos abandonaram o país em apenas 24 horas, conforme apontam dados compilados pelo Alto-Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR).

De lá para cá, o número de pessoas deixando o país tem caído consideravelmente a cada dia. A média diária de saídas do território ucraniano entre os dias 3 e 9 de março foi de 186,2 por dia. Na semana passada, essa média diária já havia caído para 54,9 mil. Entre o dia 29 de março e esse sábado (2), no entanto, o número de pessoas que deixam o país a cada dia diminuiu ainda mais, para 37,9 mil. A redução representa uma queda de 80%, se consideradas apenas as últimas quatro semanas de conflitos.

A ACNUR não detalha os motivos da diminuição da intensidade do êxodo ucraniano; no entanto, desde o início do conflito, o domínio do exército russo tem se concentrado sobretudo na fronteira leste, no sudoeste e ao norte do território ucraniano. A maior parte do país, como o centro e o oeste, permanece sob controle local, da Ucrânia. 

No sul, os russos conseguiram avançar por aproximadamente 162 km, que vai de Chonhar a Vodyane, às margens do Rio Dniepre. Ao leste, foram tomadas as regiões de Lugansk e Donetsk. Ambas já haviam sido declaradas independentes pelo governo russo antes mesmo do início da guerra na Ucrânia. 

Por outro lado, no norte, a Rússia conseguiu avançar por quase 150 km, a partir da fronteira, em direção à Kiev, conforme ilustram os mapas do Instituto para Estudo de Guerra (ISW, sigla em inglês). Nos últimos dias, além de conter os avanços russos, o exército ucraniano também conseguiu contra-atacar e retomar alguns territórios no entorno da capital do país, conforme ilustra a área azul do mapa do ISW.

Mapa atualizado na noite desse sábado (2) pelo Instituto para Estudo de Guerra – Fonte: ISW

Apesar de algumas regiões terem sido retomadas, o governo ucraniano afirma que unidades de defesa realizam um trabalho de vistoria nas localidades de Velyka Dymerka, Skybyn e Hoholiv para a identificação de minas e explosivos que possam ter sido deixados pelo exército russo.

Polônia é o principal destino dos refugiados

Segundo a ACNUR, a Polônia foi o país que mais recebeu refugiados ucranianos até o momento. Ao todo, 2,4 milhões de pessoas cruzaram a fronteira em direção ao território polonês para fugir da guerra. A Romênia é o segundo destino mais procurado pelos ucranianos em fuga do conflito.

Compartilhar