Inglaterra reintroduz máscaras e amplia vacinação de reforço

A partir desta terça-feira (30) o uso de máscaras volta a ser obrigatório na Inglaterra para quem utilizar o transporte público ou entrar em estabelecimentos comerciais. A medida anunciada pelo governo inglês tem como objetivo evitar a propagação da nova variante da Covid-19, conhecida como Ômicron. Quem descumprir a nova regra pode ser multado em até 200 libras, valor equivalente a 1.400 reais.  

Ainda como medida de prevenção, as autoridades confirmaram que todos os adultos maiores de 18 anos residentes na Inglaterra devem receber uma dose de reforço da vacina contra a Covid-19 após três meses da imunização completa. Antes, o intervalo estabelecido era de seis meses e a indicação somente para pessoas com mais de 40 anos, imunossuprimidos e quem está mais vulnerável à doença.

O presidente do Comitê Conjunto de Vacinação e Imunização (JCVI, sigla em inglês), Wei Shen Lim, reforçou em pronunciamento, nesta segunda-feira (29), a importância dessa medida: “Ter uma dose de reforço da vacina ajudará a aumentar nosso nível de proteção contra a variante Ômicron. Essa é uma forma importante de reduzirmos o impacto dessa variante em nossas vidas, principalmente nos próximos meses. Se você é elegível para um reforço, aceite a oferta e mantenha-se protegido enquanto avançamos para o inverno.” 

A Agência de Segurança Sanitária do Reino Unido (UKHSA, na sigla em inglês) confirmou, hoje, que já foram identificados cinco casos de contaminação com mutações compatíveis com a Ômicron apenas na Inglaterra.

Com a chegada do período de final de ano, o governo inglês também está incentivando a população a comprar testes rápidos em farmácia, também chamados testes de fluxo lateral. O objetivo é que as pessoas verifiquem se não estão com a doença antes de ir a festas de Natal ou outros locais onde haja aglomeração. 

Viagens para a Inglaterra  

Ainda na semana passada, o governo inglês optou por mudar as regras com relação as viagens devido à identificação da variante Ômicron. Com isso, todas as pessoas que chegarem ao país após realizar voos internacionais façam um teste PCR no segundo dia após o desembarque. Além disso, os viajantes devem ficar isolados até receber a confirmação do resultado negativo.

Na ocasião, o primeiro-ministro, Boris Johnson, que antes do verão havia retirado todas as restrições estabelecidas durante a pandemia no país, reforçou a importância de “ganhar tempo” e reduzir os contágios até que os cientistas descubram os reais efeitos da nova variante. Desde a última sexta (26), estão proibidos voos de dez nações sul africanas.  Apenas cidadãos britânicos podem retornar a Inglaterra, mas devem ficar em quarentena por 10 dias em hotéis determinados pelo governo.



 

Compartilhar

1 Comment

Comments are closed.