Reino Unido: número de europeus barrados cresce sete vezes após Brexit

Nacionalidade romena é a que conta com mais pedidos de entrada negados no Reino Unido. Foto: Canva


“Cidadãos da UE, do EEA e da Suíça podem viajar para o Reino Unido para férias ou viagens curtas sem a necessidade de visto.” A frase está no topo do guia de recomendações para viajantes que desejam passear na Terra da Rainha. Na teoria, o processo continuaria sendo o mesmo existente antes da saída do Reino Unido do bloco da União Europeia (UE), cujo período de transição encerrou-se em dezembro do ano passado. Na prática, no entanto, a realidade tem sido bem diferente para os viajantes.

Somente nos primeiros três meses de 2021, 3.214 cidadãos da UE tiveram a entrada em território inglês recusada. O número é quase sete vezes maior do que o registrado no mesmo período do ano passado, antes de iniciar a transição do Brexit. De janeiro a março de 2020, apenas 470 europeus haviam sido impedidos de ingressar no Reino Unido. Os dados foram coletados junto ao Home Office, o departamento responsável pela imigração no território britânico.

Brasileiro fica detido por mais de 15 horas em aeroporto de Londres

O reconhecimento como cidadão europeu era a oportunidade que Rodrigo Oliveira*, de 31 anos, esperava para fixar residência no Reino Unido. O plano era simples: obter a cidadania na Itália e embarcar para Londres e começar uma nova vida.

Na semana passada, a etapa mais difícil do plano estava concluída: Rodrigo fora reconhecido como cidadão italiano. O passaporte demoraria ainda para chegar, mas a cédula de identidade já estava em mãos. Na última sexta-feira (28), o mineiro entrou em um avião em Milão e decolou para o território britânico. Foi aí que o pesadelo começou.

Sem o passaporte, portando apenas a identidade recém conquistada, Rodrigo não pode usar o sistema de checagem eletrônica, que não lê cédulas de identidade. O brasileiro precisou passar por um dos agentes de imigração britânicos.

Poucos meses antes de conquistar a cidadania europeia, em dezembro do ano passado, o mineiro já havia visitado o Reino Unido e aplicado, como brasileiro, para o visto de residência. O pedido foi negado. Agora, pensou o imigrante, a história seria diferente.

No guichê de imigração, com a identidade italiana em mãos, o mineiro foi requisitado a apresentar um passaporte, no caso, o brasileiro. Ao verificar o documento, diz Rodrigo, o agente confirmou que ele já havia solicitado um pedido de residência e fora negado:

“Me chamaram para ir em uma sala para revistar as minhas malas. Abriram minha mala e tinha algumas comidas. Disseram que não era legal eu estar levando essas comidas. Eu tinha queijo, calabresa, essas coisas. Fiquei duas horas e meia na cadeira da Imigração esperando uma resposta”, relata o brasileiro.

Em seguida, Rodrigo foi enviado para uma outra sala e teve as digitais e uma foto coletadas pelos agentes britânicos. No espaço, havia também diversas outras pessoas, segundo relata o mineiro, que também haviam sido barradas pela Imigração. O relógio marcava 8 horas da noite no Aeroporto Heathrow, o maior de Londres.

“Nessa sala, tinha travesseiro e coberta e tinha uns colchonetes no chão que me disseram que eu poderia me deitar ali, se eu quisesse. A porta estava trancada, porque só podia ser aberta com crachá ou senha. Numa sala ao lado, eles colocaram a minha mala e meu celular. A gente não tinha acesso para entrar nessa outra sala”, afirma Rodrigo.

O brasileiro recebeu um “celular pequeno para se comunicar com uma pessoa externa”. No dia seguinte, às 10h30 da manhã, Rodrigo foi novamente interrogado e, 30 minutos depois, recebeu a confirmação de que seria deportado. O brasileiro foi enviado de volta para Milão, de onde aguarda resposta de um novo pedido de residência do Reino Unido.

Número de romenos recusados de entrar no Reino Unido aumentou dez vezes em um ano

Nenhuma outra nacionalidade da União Europeia teve tantos pedidos de entrada recusados no Reino Unido quanto a romena. Nos primeiros três meses de 2020, 219 cidadãos romenos tiveram a entrada barrada no território britânico ou na Irlanda do Norte.

No mesmo período deste ano, este número subiu para 2.118 casos, quase 10 vezes mais. As cinco nacionalidades com mais pedidos de entrada recusados no período são a romena, a búlgara, a polonesa, a italiana e a espanhola, respectivamente.

Veja ranking de países europeus com cidadãos recusados de entrar no Reino Unido

*Nome fictício do entrevistado, que preferiu não se identificar.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.