Inglaterra adia etapa final de flexibilização do lockdown para julho

Medidas de flexibilização previstas para 21 de junho não devem entrar em vigor na Inglaterra. Foto: Unsplash

A última etapa de flexibilização do lockdown na Inglaterra foi adiada por mais quatro semanas, devido ao aumento dos casos de Covid-19 e hospitalizações no país. O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, confirmou a decisão em coletiva de imprensa realizada nesta segunda-feira (14).

Com o adiamento, as medidas de reabertura do país, que estavam previstas para serem adotadas em 21 de junho, não devem mais entrar em vigor e a previsão é de que iniciem apenas em 19 de julho. Isso significa que grandes eventos esportivos, festivais e festas em casas noturnas não devem ser liberados ou terão limitação de público.

No entanto, casamentos ainda podem acontecer com mais de 30 convidados, desde que o distanciamento social permaneça. A mesma regra se aplica também aos velórios. Já eventos piloto, como a realização de jogos na competição Euro 2020 e algumas apresentações culturais e musicais, devem seguir sendo realizadas.

A meta do governo é para que, neste período de quatro semanas, a campanha de vacinação contra a Covid-19 seja acelerada. A expectativa é de que em 19 de julho todos os adultos tenham recebido a primeira dose e cerca de dois terços da população adulta residente no Reino Unido já esteja completamente imunizada, com as duas doses da vacina.

“Vamos monitorar a posição todos os dias e se após duas semanas tivermos concluído que o risco diminuiu, então nos reservamos a possibilidade de prosseguir para a etapa 4 e a abertura total mais cedo”, explicou o primeiro-ministro durante a coletiva. No entanto, se os dados de contaminação por coronavírus melhorarem rapidamente, pode haver uma antecipação das medidas para 5 de julho.

“Do jeito que as coisas estão – e com base nas evidências que posso ver agora – estou confiante de que não precisaremos de mais de quatro semanas e não precisaremos ir além de 19 de julho”, enfatizou Boris Johnson.

De acordo com o cronograma inicial, na próxima segunda-feira (21), a Inglaterra deveria passar para o estágio quatro, ou seja, o último passo no roteiro de flexibilização. A etapa prevê a retirada das limitações de contato social entre as pessoas e a abertura de casas noturnas e festivais, com a exigência apenas de um teste Covid-19 para entrada. O roteiro do governo britânico foi instaurado na Inglaterra em março deste ano com a reabertura das escolas e a retomada das aulas presenciais.

Aumento nos casos de Covid-19

O Reino Unido registrou aumento dos casos de coronavírus e a variante identificada inicialmente na Índia é a que mais causa preocupação nessa fase da pandemia no território. Os dados divulgados pelo governo sugerem que a variante Delta é entre 40% e 80% mais transmissível do que a variante Alfa e está aumentando rapidamente o número de casos.

Na última semana, foram registrados cerca de 8 mil casos por dia no Reino Unido, o maior número desde o final de fevereiro. Conforme o governo britânico, os casos estão aumentando cerca de 64% a cada semana.

Também houve aumento nas hospitalizações. O número médio de pessoas internadas em hospitais está crescendo na Inglaterra em 50% por semana, sendo que o percentual é ainda maior na região Noroeste do país, com aumento semanal de 61%.

Leia mais:
Mais de 75% da população adulta da Inglaterra tem anticorpos contra Covid-19
Reino Unido retira Portugal da lista de viagens sem quarentena
Inglaterra testa reabertura de eventos com rave de 6 mil pessoas em Liverpool

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.