Ômicron deve contaminar metade da Europa em dois meses, alerta OMS

Nas próximas seis ou oito semanas, a taxa de contaminação pela variante Ômicron deve atingir 50% da população residente na Europa. O alerta foi emitido, nesta terça-feira (11), pelo escritório europeu da Organização Mundial da Saúde (OMS), localizado em Copenhague, na Dinamarca. Ao menos 50 dos 53 países da Europa e Ásia Central já registraram casos da mutação, considerada mais transmissível que todas as outras variantes descobertas anteriormente.

Ainda de acordo com a OMS, no dia 10 de janeiro, 26 países relataram que, a cada semana, mais de 1% dos cidadãos é infectado pelo coronavírus. Desde o início de 2022, foram reportados sete milhões de novos casos da doença na Europa, número duas vezes maior do que o verificado na segunda quinzena de dezembro. 

Apesar do alto índice de contaminação no continente europeu, as taxas de mortalidade permanecem estáveis, principalmente nos países com índices mais elevados de vacinação e nas regiões onde a incidência da Covid-19 é menor, afirma a agência de saúde. Durante a coletiva de imprensa, a OMS ressaltou ainda que a imunização continua sendo a melhor maneira de evitar a forma grave da doença e expressou preocupação com o Leste Europeu, para onde a Ômicron se espalha e as taxas de pessoas vacinadas são mais baixas.

Ainda durante o comunicado, a Organização Mundial da Saúde observou a importância em manter as escolas abertas, uma vez considerados os benefícios para a saúde mental, social e educação das crianças: ‘’Escolas devem ser os últimos lugares a fechar e os primeiros a reabrir’’, destacou o médico belga Hans Kluge, diretor regional da OMS na Europa. A recomendação é de que, nos locais onde não seja possível manter as aulas presenciais por causa do número de funcionários contaminados, seja possibilitado o ensino de forma remota.

Compartilhar