Referendo aprova casamento e adoção de crianças por casais gays na Suíça

Os suíços aprovaram, neste do domingo (26), em referendo, a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo. A vitória contou com 64,1% dos votos favoráveis, segundo a apuração divulgada pelo Conselho Federal da Suíça. O resultado ainda garante aos casais homoafetivos o direito à adoção, até então não reconhecido pelo país. A previsão é de que as novas regras passem a valer em julho do ano que vem. 

Karin Keller-Sutter, conselheira federal, afirma que a vitória a favor do casamento gay deve eliminar o tratamento desigual a parceiros do mesmo sexo: ”(…) o Estado não pode impor aos cidadãos [a forma] como devem conduzir suas vidas privadas. A abertura do casamento para todos é um grande símbolo e uma forma de reconhecimento pela sociedade”, admitiu. 

Desde 2007, parceiros do mesmo sexo podem registrar um pacto civil na Suíça. O resultado da votação de hoje, que aprova agora o casamento homoafetivo, vai permitir a adoção de crianças pelos casais homossexuais, além de facilitar a cidadania para os seus cônjuges.

Após o resultado no referendo deste domingo, no caso da união entre duas mulheres, será permitido o acesso ao bancos de sêmen nacional, até então disponível somente para parceiros heterossexuais legalmente casados. A doação anônima de sêmen, de óvulos e o uso de maternidade de substituição (barriga de aluguel), no entanto, continuam proibidas pela legislação, independente do sexo dos esposos. 

A decisão foi celebrada por integrantes de movimentos que protestavam há anos a favor do casamento gay no território dos Alpes. Muriel Waeger, vice-diretora da Organização Lésbica Suíça, comemorou o anúncio na noite de hoje: ”É simbólico. Isso significa que a população aceita nossas formas de família e as plebiscita”, comemorou. 

A Suíça é um dos últimos países da Europa Ocidental a aprovar o casamento gay. A Holanda foi a primeira nação europeia a reconhecer a união entre duas pessoas do mesmo sexo, há 20 anos. 

Compartilhar

1 Comment

Não é possível deixar seu comentário no momento.