Irlanda: área interna de pubs e restaurantes será exclusiva para vacinados e recuperados


Apenas pessoas completamente vacinadas ou que se recuperaram da Covid-19 nos últimos seis meses poderão frequentar as áreas internas de pubs e restaurantes na Irlanda. O acordo, firmado pelos membros do primeiro escalão do governo, será encaminhado agora para aprovação do Parlamento irlandês para que se torne lei. Ainda não há, portanto, a confirmação da data em que a reabertura completa do setor de hospitalidade será possível, mas a expectativa é para que ocorra até o final da próxima semana.

De acordo com a legislação acordada, os clientes vão precisar apresentar um comprovante de que estão totalmente imunizados e esses dados deverão ser verificados e retidos pelo estabelecimento. Os novos Certificados Digitais Covid, que estão sendo implementados pela Irlanda e por outros países da União Europeia (UE), ou comprovantes médicos serão aceitos pelos cafés, bares e restaurantes.

Já os visitantes de fora da UE, incluindo os Estados Unidos, Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, poderão apresentar um certificado equivalente emitido no país de origem. Crianças e adolescentes menores de 18 anos acompanhadas pelos pais ou por um responsável adulto vacinado ou recuperado também poderão entrar nos estabelecimentos. Em caso de falsificação de documentos, a pessoa que forjar um certificado pode receber uma multa de até 2.500 euros e os estabelecimentos que não verificarem as informações dos clientes também poderão sofrer penalidades.

O anúncio foi feito no início da noite desta segunda-feira (12) pelo vice primeiro-ministro (Tánaiste), Leo Varadkar, e pela Ministra do Turismo, Cultura, Artes, Gaeltacht, Esporte e Mídia, Catherine Martin. De acordo com o governo, o objetivo é reabrir o setor de hospitalidade de forma cautelosa, mas progressiva, devido à rápida disseminação da variante Delta.

“Eu sei que essa não é a maneira ideal de abrir a hospitalidade, mas a outra alternativa é esperar até setembro quando todos os adultos estiverem vacinados. (…) Nós estamos fazendo uma distinção, uma diferença, entre os que estão vacinados e os que não estão por um curto período de tempo, mas eu espero que as pessoas não vejam isso como discriminação. Essa é uma medida inteiramente de saúde pública”, defendeu Varadkar.

A legislação também prevê a possibilidade de utilização de teste PCR e teste rápido (antígenos), mas apenas em fases futuras de retiradas das restrições. De acordo com o governo, todas as medidas de distanciamento social serão mantidas. As diretrizes operacionais para a reabertura serão publicadas nos próximos dias, no entanto, a administração pública já antecipou que a melhoria da ventilação nos ambientes fechados será um dos requisitos.

Inicialmente, a previsão era de que a reabertura ocorreria em 5 de julho e que a população em geral poderia utilizar as áreas internas dos estabelecimentos, o que não se concretizou. Atualmente, está autorizado o atendimento apenas nas áreas externas de pubs e restaurantes. O projeto para a nova legislação será encaminhada ao Parlamento irlandês pelo Ministro da Saúde, Stephen Donnelly, nos próximos dias. Após a aprovação, o texto final passa para sanção do presidente irlandês, Michael Higgins. A lei contará com uma cláusula de caducidade, sendo válida até outubro, a menos que seja prorrogada pelo Congresso e pelo Senado.

Mais de duas milhões de pessoas estão totalmente imunizadas na Irlanda, o que corresponde a 56,6% da população adulta. No total, 4,7 milhões de vacinas foram aplicadas, com 69,8% dos adultos tendo recebido ao menos a primeira dose. No momento, o registro para pessoas que desejam se imunizar nos centros de vacinação, com doses da Pfizer ou Moderna, está aberta para quem tem 30 anos ou mais. Já quem tem entre 18 e 34 anos de idade pode se candidatar para receber a vacina Janssen em uma das farmácias credenciadas do país.

Compartilhar

3 Comments

Não é possível deixar seu comentário no momento.