Ucrânia: míssil russo deixa 7 mortos em cidade a 80 km da fronteira polonesa

Míssil atingiu estação de serviços veiculares em Lviv – Imagem: Ministério da Defesa da Ucrânia

Pelo menos sete pessoas morreram e 11 ficaram feridas em um ataque russo à cidade ucraniana de Lviv nesta segunda-feira (18). O município, que é o maior no oeste do país, fica a 80 quilômetros da fronteira polonesa de Medyka. Segundo o prefeito da cidade, Andriy Sadovy, um dos mísseis que miraram a cidade destruiu uma empresa privada de serviços veiculares. Os demais ataques tinham como alvos estruturas militares ucranianas na região.

Cerca de 40 veículos que estavam no local ou nos arredores foram completa ou parcialmente destruídos. Outras oito casas de civis também foram danificadas pelos ataques. Dentre os feridos, está uma criança de três anos, que não corre risco de morte. A vítima é natural de Kharkiv, de onde havia escapado com os pais da invasão russa à região. Três outros feridos, no entanto, encontram-se em estado grave de saúde, de acordo com as autoridades.

Desde o início da guerra, a cidade de Lviv tem sido a principal rota de escoamento dos refugiados para os países vizinhos, como a Polônia. O alto representante da União Europeia (UE) de Relações Exteriores, Josep Borrel, condenou o avanço dos russos para o oeste do território: “Ataques a Lviv e outras cidades no oeste da Ucrânia mostram que nenhuma parte do país é poupada do ataque sem sentido do Kremlin”, disse, em declaração.

Pela estação ferroviária da cidade ucraniana, escoam milhares de pessoas em busca de asilo. Desde o dia 24 de fevereiro, data de início da invasão russa na na Ucrânia, 4,9 milhões de pessoas já abandonaram o território em conflito, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU). A lei marcial ucraniana não permite que homens entre 18 e 60 anos saiam do país.  

Putin diz que plano ocidental de colapsar economia russa “tem sido inefetivo”

Em reunião entre as lideranças econômicas russas nesta segunda-feira (18), o presidente Vladimir Putin admitiu que as sanções impostas pelos países ocidentais “têm sido o fator mais negativo para a economia (russa) ultimamente”. Por outro lado, o líder russo também afirmou que a estratégia ocidental de colapsar a economia do país “tem sido inafetiva”.

Durante o encontro, Putin afirmou que os preços aos consumidores aumentaram 9,4% desde o início da invasão à Ucrânia, há seis meses. Isso significa, ressaltou o líder, que, desde o início do ano, a inflação acumulada já atinge a marca de 17,5% no território russo.

O Reino Unido e a União Europeia tem realizado uma série de sanções desde o início da guerra. O último pacote anunciado pelas autoridades do bloco, impôs a proibição de navios russos no território da UE e da compra de carvão do país. Já o governo britânico pretende eliminar gradualmente, até o final de 2022, a importação de petróleo da Rússia.

Compartilhar