Reino Unido retira Brasil da lista vermelha e reabre para vacinados


O Reino Unido retirou o Brasil da lista vermelha, permitindo novamente as viagens não essenciais para pessoas vacinadas e o fim da quarentena em hotel. A medida entra em vigor às 4h da próxima segunda-feira, dia 11 de outubro, conforme anúncio realizado pelo governo britânico na tarde desta quinta-feira (7).

Os passageiros vacinados com imunizantes reconhecidos pelo regulador britânico precisam apenas fazer um teste negativo dois dias após a chegada no país. O comunicado oficial lista as vacinas Janssen, Pfizer e AstraZeneca (incluindo a Covishield). Não é citado o imunizante CoronaVac, que é aplicado no Brasil.

No entanto, os viajantes vacinados com imunizantes não reconhecidos, como é o caso da CoronaVac, podem entrar no país, desde que apresentem um exame negativo antes do embarque, outro teste no segundo dia de viagem e um terceiro no oitavo dia. É ainda obrigatório ficar em isolamento por 10 dias, período que pode ser reduzido pela metade se realizar um teste com resultado negativo no quinto dia. A quarentena não precisa ser em hotel indicado pelas autoridades britânicas.

A comprovação da vacinação poderá ser feita com o certificado oferecido pelo governo brasileiro, de acordo com a nova regra. Quem tiver autorização para chegar ao país antes do dia 11 de outubro ainda deve ser seguir as determinações anteriores, que incluem a quarentena de hotel no valor de aproximadamente 16 mil reais.

Para o secretário de Transportes Grant Shapps, a retirada do Brasil e de outros 46 países da lista vermelha se deve graças aos ”esforços de vacinação em todo o mundo”. Ainda segundo Shapps, a medida também busca facilitar a reunião de famílias nos próximos meses, com a proximidade das datas festivas.

O Reino Unido foi um dos últimos países europeus a aceitar viajantes do Brasil, somando-se à lista que inclui, por exemplo, França, Espanha, Portugal e Alemanha. A Itália, em contrapartida, ainda veta a entrada de turistas brasileiros. A medida do governo italiano segue em vigor até, pelo menos, o dia 25 de outubro.

Compartilhar