Covid-19: Inglaterra deve eliminar todas as restrições em 19 de julho


O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, confirmou que todas as restrições legais contra Covid-19 devem ser retiradas na Inglaterra em 19 de julho. O plano é que a população aprenda a conviver com o vírus, suportados pela campanha de vacinação, apesar dos dados apontarem aumento das infecções, conforme anúncio feito em conferência com a imprensa nesta segunda-feira (5), em Londres. A decisão final será oficializada na próxima segunda-feira (12), após revisão dos dados mais recentes. 

Seguindo a quarta e última etapa do plano do governo para flexibilização do lockdown, o uso de máscara facial será voluntário a partir de 19 de julho e a população não será mais orientada a trabalhar de casa. A distância social também não será mais exigida legalmente para reuniões internas ou externas e as casas noturnas serão reabertas.

Pubs, cafés e restaurantes poderão receber clientes mesmo que eles não estejam alocados em mesas e estabelecimentos esportivos poderão abrir com número total de espectadores. Também não haverá limite de convidados para casamentos e outros eventos.

Além disso, será eliminada a exigência legal sobre o uso da certificação do status de vacinação como condição de entrada em locais e eventos, embora algumas empresas ou organizadores possam exigir a certificação. Porém, a prova de vacinação ou um teste negativo para Covid-19 ainda devem ser requisitados para viagens internacionais, excluindo a necessidade de quarentena em retornos de países da lista âmbar, o que deve ser detalhado até o final desta semana.

Durante o pronunciamento, Boris Johnson destacou que os casos de infecções poderiam aumentar para até 50 mil por dia até 19 de julho, com as admissões hospitalares diárias e as mortes também aumentando, embora mais lentamente. 

“Como previmos no roteiro, estamos vendo os casos aumentarem rapidamente – e pode haver 50 mil casos detectados por dia até o dia 19 e, novamente, como previmos, estamos vendo um aumento nas internações hospitalares e devemos nos reconciliar tristemente com mais mortes por Covid-19”, disse o primeiro-ministro. 

Porém, Boris Johnson atribui a possibilidade de flexibilização das medidas ao bom resultado conquistado com a campanha de vacinação contra coronavírus no território. Conforme dados do governo britânico, mais de 79 milhões de doses de vacina contra Covid-19 foram administradas no Reino Unido e 64% da população adulta já recebeu as duas doses do imunizante.

“Devemos ser honestos conosco mesmos que se não podemos reabrir nossa sociedade nas próximas semanas, quando seremos ajudados pela chegada do verão e pelas férias escolares, então devemos nos perguntar quando poderemos voltar ao normal?”, declarou o Boris.

Aumento nas infecções por Covid-19

Uma das grandes preocupações para os especialistas atualmente tem sido a variante Delta, identificada inicialmente na Índia. Essa variação do vírus pode estar se espalhando mais rapidamente no Reino Unido.

Na Inglaterra, a porcentagem de pessoas com teste positivo para coronavírus continuou a aumentar na semana que terminou em 26 de junho de 2021, conforme  o Instituto Nacional de Estatísticas Britânico (ONS, em inglês). A estimativa é de que cerca de uma em cada 260 pessoas pode estar infectada. Nesta segunda-feira (5), mais de 27 mil pessoas reportaram um teste positivo ao coronavírus no Reino Unido. 

Compartilhar

1 Comment

Não é possível deixar seu comentário no momento.