Madre Coxinha: a trajetória da brasileira que conquistou a Europa com o tradicional salgado

A Madre Coxinha hoje é a história de vida da brasileira Maiara. Foto: Arquivo Pessoal

A primeira reportagem da série especial do Agora Europa “Brasileiras na Europa: histórias de representatividade”, em celebração ao Dia Internacional da Mulher, conta a trajetória da cearense Maiara Benevides Righi, criadora da “Madre Coxinha”, um empreendimento de sucesso em Portugal e que já conquista outros países europeus.

A falta da comida de casa é uma saudade comum de quase todo o imigrante. O aroma que traz sensação de conforto vem, geralmente, acompanhado das mais doces memórias afetivas. A cearense Maiara Benevides Righi, que se mudou para Portugal em 2018, sentia falta de uma paixão nacional entre os brasileiros: a coxinha. Aos 39 anos, apesar de apaixonada pela cozinha, nunca tinha feito o tradicional salgado, mas a vontade de sentir o ”gostinho de casa” fez com que ela persistisse até acertar a receita.

O salgado ficou tão bom, que a brasileira decidiu vender no mês de junho, época da tradicional festa dos Santos Populares em Lisboa. A casa onde morava tinha a localização perfeita, na área histórica da capital portuguesa, que fica lotada durante os festejos. De forma amadora, no fogão de casa, Maiara fritou 20 coxinhas e também preparou caipirinhas, bebida apreciada não só pelos brasileiros, mas por muitos europeus: “Vendi todas. No segundo dia eu fiz 40 e vendi tudo também”, conta a empreendedora, conhecida pela energia contagiante.

As vendas continuaram e a coxinha foi se tornando cada vez mais famosa na cidade. A imigrante, que havia encontrado dificuldades no mercado de trabalho ao se mudar para Lisboa e que sempre teve vontade de empreender, virou a chave: vender coxinhas seria o seu negócio. Hoje, quatro anos depois, a Madre Coxinha não é somente um negócio, mas a história de vida da nordestina. 

Desafios de uma empreendedora imigrante

Decidida a levar alegria através das coxinhas, a imigrante montou o plano de negócios para solicitar crédito e comprar equipamentos para montar a empresa, uma aventura que parecia ainda mais desafiadora no exterior: “Não desisti em nenhum momento”, conta Maiara, orgulhosa. A brasileira foi a primeira a conseguir o empréstimo do banco com Autorização de Residência (AR) ainda temporária.

A ideia inicial era unir duas paixões de Maiara: coxinha e festas, com a venda do produto em food trucks. Quando estava tudo pronto para começar, veio um desafio ainda maior: a pandemia de Covid-19, o fim dos eventos e a incerteza sobre o futuro: “Eu sentei no chão e pensei ‘o que vou fazer agora?’”, recorda Maiara.

Mais uma vez, desistir não era uma opção. Resiliente, a brasileira decidiu levar a coxinha até a casa das pessoas, que estavam confinadas. Sem ter carro, ela e uma funcionária saíam com um carrinho de supermercado, a pé e de metrô, para realizar as entregas. Também foi necessário adaptar a receita para que os clientes finalizassem a coxinha no forno de casa sem que o produto perdesse a textura e o sabor original.

Contornando as adversidades, a paixão pelo ofício e a convicção no projeto fazem com que a empresária siga expandindo o negócio. Com a ajuda de uma equipe 100% feminina e brasileira, de quem Maiara não abre mão, a fama do produto, já grande na capital lusa, começa a romper as fronteiras de Portugal, chegando aos supermercados da Bélgica, Espanha, França e Reino Unido. Atualmente, a produção, realizada em uma incubadora de negócios nos arredores de Lisboa, chega a quase 600 mil coxinhas anuais para abastecer todos os pontos de venda.

Com o alívio das restrições da pandemia de Covid-19, a imigrante ainda conseguiu inaugurar, em 2021, o primeiro food truck da Madre Coxinha, com dois sócios portugueses. Outros quatro pontos de venda móveis devem entrar em operação em Lisboa e Porto nos próximos meses. Em 2023, ela quer levar a iniciativa a outros países e abrir franquias. Apresentar a culinária brasileira para o mundo é o que motiva a empresária: “Eu sempre acredito que vai dar certo e dá, com muito trabalho e dedicação”, ressalta Maiara.

A imigrante não tem dúvida de que existem muitas “Maiaras” mundo afora e as incentiva a seguirem seus sonhos, como ela mesma fez, faz e seguirá fazendo, garante. Consciente de que pode fortalecer as mulheres, a rainha da coxinha em Portugal deixa dicas preciosas: força, coragem, empoderamento e nunca deixar que as pessoas duvidem da sua capacidade, ”principalmente os homens”.

Compartilhar