Três em cada dez estudantes universitárias já foram vítimas de violência sexual na Irlanda, aponta pesquisa

Em mais da metade dos casos, os crimes são precedidos do uso de drogas e álcool – Foto: Alexander Krivitskiy

Por Cristiano Goulart, de Dublin

Vinte e nove por cento das estudantes universitárias da Irlanda relatam já terem sido vítimas de violência sexual durante a graduação. A constatação foi exposta em um estudo aplicado a 6.026 mil estudantes de 21 instituições de ensino superior do país. Segundo a pesquisa, aproximadamente mil universitárias reportaram, anonimamente, que já foram vítimas de estupro mediante “penetração não-consensual por incapacidade, por força ou ameaça”.

O estudo aponta ainda que 28% dos estudantes não-binários também relataram terem sido violentados sexualmente no decorrer do curso universitário. Entre os homens, este índice cai para 10%. O levantamento, publicado nesta segunda-feira (22) foi realizado pelo movimento Active Consent, da Universidade Nacional da Irlanda, a NUI Galway, e pela União dos Estudantes da Irlanda. Ao todo, 65% (3.928) dos participantes da pesquisa pertencem ao sexo feminino, enquanto 33% (1.986) são homens e 0,7%, não-binários, transgêneros (0,2%) e 0,9% não informaram o gênero.

Leia também
– Antirracismo: protestos no Reino Unido completam quatro semanas
– Cinemas, academias e livrarias: saiba tudo o que reabre na Irlanda no final de junho

Uso de álcool e drogas

Em 68% dos casos, as mulheres vítimas de violência sexual admitiram estarem sob efeito de álcool ao serem violadas. Em 48% dos casos, segundo as vítimas, o abusador estava sob efeito de álcool e, em 16% das vezes, o criminoso havia consumido álcool e usado drogas antes de cometer estupro.

Já as vítimas do sexo masculino afirmaram que estavam sob efeito de álcool em 56% dos casos e, em 50% das violações sofridas, o abusador havia consumido bebida alcoólica antes de cometer o crime. Entre os não-binários, as taxas são de 41% e 21%, respectivamente.

Aproximadamente 35% dos abusos sofridos por jovens do sexo feminino nunca foram reportados ou denunciados. Entre os homens, esta taxa é de 50%. Já entre os não-binários, 25%. O principal motivo para a não denúncia por parte das vítimas mulheres foi por acreditar que o estupro “não era sério o suficiente, nem crime” ou por “não querer que ninguém soubesse”, responderam as vítimas em 54% e 50% dos casos, respectivamente.

O estudo completo pode ser encontrado neste link.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.