França exige teste negativo de Covid-19 para viajantes do Brasil

Viajantes também precisam realizar teste rápido de Covid-19 ao chegar no país – Foto: Anthony Delanoix


O Governo francês determinou, nesta semana, que viajantes do Brasil precisarão apresentar teste negativo de Covid-19 antes de embarcarem para o país europeu. Ao chegar em território francês, também passa a ser obrigatório a realização de teste rápido (PCR) para coronavírus. A decisão não exclui da exigência cidadãos europeus ou pessoas com visto de residência que pretendem embarcar para a França a partir dos países definidos na lista.

Além do Brasil, outras 15 nacionalidades também passam a contar com a nova exigência: África do Sul, Argélia, Barém, Emirados Árabes Unidos, Estados Unidos, Índia, Israel, Kuwait, Madagascar, Omã, Panamá,  Peru, Qatar, Sérvia e Turquia. Para viajar para a França, os passageiros oriundos dos Estados Unidos, Barém e do Panamá precisam apresentar o teste negativo para coronavírus que tenha sido feito, no máximo, 72 horas antes do embarque. Caso não possuam o documento, serão impedidos de ingressar no avião.

Por meio das redes sociais, o Governo ressalta, no entanto, que a “entrada no território nacional [francês] de países com alta circulação viral é autorizada apenas em situações específicas, principalmente para cidadãos franceses e pessoas que moram na França”. Portugal também já havia determinado a exigência de teste negativo de Covid-19 para viajantes oriundos do Brasil.


Leia também
– Reino Unido exclui Espanha da lista de corredores aéreos
– Uso de bicicletas reduz 60 mil carros por dia no trânsito de Dublin

De acordo com a determinação da União Europeia (UE), também adotada na França, a entrada em território europeu, atualmente, está limitada a cidadãos da UE e membros da família, residentes de longa duração na UE e membros de sua família e viajantes com função ou necessidade especial. O título de residente de longa duração é concedido a cidadãos que moram legalmente em algum país do bloco há pelo menos cinco anos. A legislação só não é aplicável no Reino Unido, Irlanda e Dinamarca, que dispõem de um regime especial para as políticas em matéria de imigração e asilo.

Além destes casos, também é possível entrar na Europa segundo os critérios abaixo

– Profissionais de saúde, pesquisadores em saúde e profissionais de assistência a idosos;
– Trabalhadores fronteiriços;
– Trabalhadores sazonais na agricultura;
– Pessoal de transporte;
– Diplomatas, funcionários de organizações internacionais e pessoas convidadas por organizações cuja presença física é necessária para o bom funcionamento desses organizações, pessoal militar e trabalhadores de ajuda humanitária e proteção civil pessoal no exercício de suas funções;
– Passageiros em trânsito;
– Passageiros que viajam por razões imperativas de família;
– Marítimos;
– Pessoas que precisam de proteção internacional ou por outras razões humanitárias
– Nacionais de países terceiros que viajam para fins de estudo, cujo critério de entrada deve ser definido por cada país;
– Trabalhadores de países terceiros altamente qualificados, se for necessário um emprego de um perspectiva econômica e o trabalho não pode ser adiado ou realizado no exterior.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.