Uso de máscaras ao ar livre volta a ser obrigatório na Espanha nesta sexta

A utilização de máscaras ao ar livre vai voltar a ser obrigatória em todo o território espanhol a partir desta sexta-feira (24), véspera de Natal. A decisão faz parte de um decreto aprovado pelo Conselho de Ministros da Espanha, nesta quinta-feira (23), que impõe medidas urgentes de prevenção para a “crise ocasionada pela Covid-19”.

A obrigatoriedade deve ser cumprida por todas as pessoas maiores de seis anos de idade, independentemente do distanciamento social. De acordo com o governo, as únicas exceções são quando alguém estiver realizando práticas esportivas ou atividades físicas, individualmente ou em espaços naturais, como parques, desde que mantendo distância de um metro e meio com quem não mora na mesma residência.

Outro caso que permite a liberação do uso de máscaras é o de passageiros de navios, dentro das cabines. Quem estiver em espaços fechados, de uso público, que sejam residência de um coletivo de pessoas, como é o caso de asilos, também estará livre para não utilizar a cobertura facial. Nesse caso, no entanto, mais de 80% das pessoas precisam estar imunizadas com vacinação completa e dose de reforço.

O uso de máscaras continuará sendo obrigatório em outros espaços fechados de uso público, como é o caso de bibliotecas, ou de locais abertos ao público, como, por exemplo, os supermercados. Além disso, deve-se utilizar cobertura facial em todos os tipos de transporte público e também em transporte privado se as pessoas não vivem em um mesmo domicílio.

A ministra da Saúde espanhola, Carolina Darias, pontuou que a decisão se trata de uma medida temporária, que vai permanecer em vigor “durante o tempo imprescindível até que a situação epidemiológica do país melhore”. Nessa quarta-feira (22), a Espanha bateu o número recorde de casos confirmados pelo segundo dia consecutivo, desde o início da pandemia, com 60.041 pessoas infectadas pela Covid-19 em 24 horas. Na terça-feira (21), haviam sido 49.823 testes positivos para o coronavírus.

A reunião ministerial extraordinária foi convocada pelo presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez. Ainda na quarta-feira (22), Sánchez comunicou que o uso de máscaras voltaria a ser adotado para “impulsionar medidas que reduzam a tensão no sistema de saúde”. Também foi anunciada a autorização temporária para que as farmácias comercializem testes de antígeno de uso profissional.

O presidente destacou, no entanto, que a chave para combater a fase atual da pandemia está na aceleração do processo de vacinação com a terceira dose, em conjunto com a imunização infantil: “Não estamos em março de 2020, nem no Natal do ano passado. Hoje, quase 38 milhões de pessoas estão vacinadas na Espanha, o que supõe que 9 em cada 10 pessoas com mais de 12 anos têm a vacinação completa”, enfatizou Sánchez.

O decreto aprovado pelos ministros prevê ainda a permissão para que os centros de saúde contratem profissionais de medicina e enfermagem para realizar atividades relacionadas à Covid-19. Está autorizada ainda a contratação de especialistas com título obtido em países-membros da União Europeia. O decreto aprovado nesta quinta-feira fica em vigor até o dia 31 de dezembro do ano que vem.

Metas de vacinação

O Ministério da Saúde da Espanha estabeleceu, como meta de vacinação da terceira dose contra a Covid-19, que 80% da população com mais de 60 anos termine o ano de 2021 com uma dose adicional. Para o ano que vem, o objetivo é vacinar com o mesmo percentual os cidadãos que têm entre 50 e 59 anos até a semana do dia 24 de janeiro.

Na primeira semana de março, o ministério pretende ter 80% das pessoas com idade entre 40 e 49 anos vacinadas com uma dose de reforço. A ministra Carolina Darias enfatizou, ainda, que o objetivo é vacinar 70% das crianças com idades entre 5 e 11 anos com a primeira dose pediátrica na semana de 7 de fevereiro e com a segunda na semana de 18 de abril.

Compartilhar