Funcionários da Ryanair iniciam sequência de paralisações na Espanha

Trabalhadores da companhia irlandesa Ryanair começaram, na manhã desta segunda-feira (8), uma série de paralisações para reivindicar ”a aplicação dos direitos trabalhistas básicos na Espanha”. Os funcionários da empresa aérea também contestam a demissão de colaboradores envolvidos em protestos recentes no país. De acordo com o sindicato que representa a categoria, o estado de greve vai durar até janeiro de 2023, com ações semanais que devem afetar os serviços da empresa sempre de segundas a quintas-feiras. 

A paralisação vai atingir dez aeroportos espanhóis: Madri, Barcelona, Santiago de Compostela, Girona, Málaga, Valência, Ibiza, Palma de Maiorca, Alicante e Sevilha. Não há estimativa, no entanto, do número de voos que serão afetados durante a mobilização. Diante do início do movimento, o Ministério de Transportes, Mobilidade e Agenda Urbana decretou o cumprimento mínimo de voos durante os cinco meses de greve em cada uma das bases da Ryanair na Espanha. 

Para as viagens domésticas entre territórios fora da Península Ibérica, devem ser mantidos entre 68% e 85% dos voos, dependendo do aeroporto e da época do ano. Já no caso das viagens dentro da península, onde o tempo de translado seja superior a cinco horas, além de trajetos internacionais, o percentual de voos realizados deverá permanecer entre 36% e 60%.

Desde o início da temporada de verão, os tripulantes da Ryanair realizam protestos por melhores condições de trabalho na Espanha. Nos dois movimentos, foram registrados, ao menos, 230 cancelamentos e quase 1.500 atrasos em voos que aterrissavam ou partiam do território espanhol. Conforme o Sindicato dos Trabalhadores (USO) da Espanha e o Sindicato Independente da Tripulação de Cabine de Passageiros de Companhias Aéreas (SITCPLA), a Ryanair se recusa a negociar com a categoria, motivo pelo qual os funcionários ‘’viram-se obrigados a prosseguir com a greve’’, destaca o comunicado divulgado pelos representantes da classe.

Entre as principais reivindicações dos colaboradores, estão a aplicação dos direitos trabalhistas básicos, redução de jornada de trabalho, cumprimento de férias e feriados anuais legalmente estabelecidos, correção salarial equivalente ao período pré-pandemia e garantia ao direito legítimo de greve pelos trabalhadores. 

De acordo com informações fornecidas pela própria empresa, a Ryanair é a companhia aérea que mais transporta passageiros na Espanha. Ainda segundo dados oficiais da organização, cerca de 1.600 pessoas integram as equipes que atuam na tripulação de cabine do grupo. Os passageiros prejudicados pela paralização podem entrar em contato através do site da Ryanair. A remarcação de voos pode ser efetuada pelo mesmo canal.

Compartilhar