Economia energética: Espanha aprova regras para uso de ar-condicionado

Reportagem de Renata Chíes e Daiane Vivatti

O Governo da Espanha vai adotar uma série de medidas urgentes com o objetivo de garantir a eficiência e a economia energética no país. As regras estabelecem que edifícios administrativos, locais públicos, espaços culturais, transportes coletivos e lojas de todo o país não podem deixar a temperatura do ar-condicionado no verão abaixo dos 27ºC, enquanto a da calefação no inverno não poderá exceder os 19ºC. As obrigatoriedades constam em um Decreto-Lei aprovado nesta segunda-feira (1º).

O chamado “Plano de Choque de economia e gestão de energia em climatização”, em tradução livre, determina ainda que as portas de acesso às instalações tenham fechamento automático para evitar a troca de temperatura com o ambiente externo. Além disso, os letreiros luminosos devem ser apagados às 22 horas. Os estabelecimentos devem realizar uma revisão extraordinária das instalações térmicas até o final do ano, caso a mais recente tenha ocorrido antes de janeiro de 2021.

A norma também inclui medidas para substituir os combustíveis fósseis por renováveis. A ministra para a Transição Ecológica e o Desafio Demográfico, Teresa Ribera, destacou que todos os esforços são necessários: “Não podemos perder um único quilowatt-hora”, pontuou Ribera.

Segundo o governo, as novas regras fazem parte de um compromisso firmado entre Espanha e a Comissão Europeia, para reduzir em até 7% o consumo de gás. O presidente do Governo da Espanha, Pedro Sánchez, destacou que a redução da fatura energética é de extrema importância, pois contribuirá para diminuir a dependência que a Espanha tem da Rússia, e, assim, dobrar a curva de inflação causada pela guerra na Ucrânia.

A medida entra em vigor no dia seguinte à publicação do decreto em Diário Oficial, mas deve ser validada pelo Congresso dos Deputados em, no máximo, 30 dias.

Compartilhar