Aeroporto de Bruxelas enfrenta primeiro dia de greve das companhias aéreas

Quem utilizou o Aeroporto de Bruxelas hoje (23) se deparou com um painel de voos repleto de viagens canceladas. A quinta-feira marcou o primeiro de quatro dias de paralisações dos funcionários de duas das principais companhias aéreas que operam nos terminais da capital belga: Brussels Airlines e Ryanair.

Até sábado (25), seis em cada dez voos programados pela companhia belga não devem sair do chão. A informação foi confirmada ao Agora Europa pela porta-voz do Aeroporto, Nathalie Pierard. Durante o período, estavam agendadas 533 viagens, que transportariam cerca de 70 mil passageiros.

Nesta sexta-feira (24), será a vez dos funcionários da companhia irlandesa Ryanair se juntarem à paralisação. Ao todo, 30 voos, entre chegadas e partidas, devem ser cancelados durante os três dias de protestos, que vão até domingo (26), segundo prevê a administração do Aeroporto de Bruxelas.

A brasileira Fernanda Mattos (30), que planejava viajar em férias para a cidade do Porto nesta sexta (23), teve de adiar os planos. Por email, a gerente de desenvolvimento de negócios recebeu a confirmação da Ryanair sobre o cancelamento da viagem, que levou a turista a deixar o destino português para uma próxima oportunidade.

Com receio de enfrentar novos cancelamentos, a brasileira decidiu retornar para a Espanha, onde reside, com outra companhia aérea: “Agora eu decidi ir com outra empresa. Foram 320 euros de prejuízos com passagens, fora o gasto com hotel. Em torno de 400 euros ao todo, sem dúvidas”, lamenta Fernanda.

Com o aumento da procura por viagens aéreas durante o período de verão, o primeiro com poucas ou sem restrições após a pandemia de Covid-19, funcionários das companhias têm protestado contra o aumento do volume de trabalho. As reivindicações levaram a companhia Brussels Airlines a cancelar 148 voos previstos para a época mais quente do ano com o objetivo de aliviar a pressão sobre os funcionários.

Até o momento, não há informações oficiais sobre a situação dos voos da Ryanair no outro aeroporto da capital belga, o Charleroi. Segundo a Belga News Agency, a empresa pode cancelar até 127 viagens previstas para o terminal durante os protestos.

Aos clientes com voos cancelados, a Ryanair chamou as paralisações de “desnecessárias”. A companhia aérea também lamentou o transtorno causado aos viajantes: “Lamentamos informar que teu voo (…) foi cancelado como resultado direto de greves desnecessários liderados pela União [sindicato] Belga”, afirma o comunicado.

Compartilhar